Nova Versão Internacional

Salmos 44:1-26

Salmo 44

Para o mestre de música. Dos coraítas. Um poema.

1Com os nossos próprios ouvidos ouvimos, ó Deus;

os nossos antepassados nos contaram

os feitos que realizaste no tempo deles,

nos dias da antiguidade.

2Com a tua própria mão expulsaste as nações

para estabelecer os nossos antepassados;

arruinaste povos

e fizeste prosperar os nossos antepassados.

3Não foi pela espada que conquistaram a terra

nem pela força do seu braço que alcançaram a vitória;

foi pela tua mão direita, pelo teu braço e pela luz do teu rosto44.3 Isto é, pela tua bondade.,

por causa do teu amor para com eles.

4És tu, meu Rei e meu Deus!44.4 Conforme a Septuaginta e a Versão Siríaca. O Texto Massorético diz meu Rei, ó Deus!

És tu que decretas vitórias para Jacó!

5Contigo pomos em fuga os nossos adversários;

pelo teu nome pisoteamos os que nos atacam.

6Não confio em meu arco,

minha espada não me concede a vitória;

7mas tu nos concedes a vitória sobre os nossos adversários

e humilhas os que nos odeiam.

8Em Deus nos gloriamos o tempo todo,

e louvaremos o teu nome para sempre. Pausa

9Mas agora nos rejeitaste e nos humilhaste;

já não sais com os nossos exércitos.

10Diante dos nossos adversários

fizeste-nos bater em retirada,

e os que nos odeiam nos saquearam.

11Tu nos entregaste para sermos devorados como ovelhas

e nos dispersaste entre as nações.

12Vendeste o teu povo por uma ninharia,

nada lucrando com a sua venda.

13Tu nos fizeste motivo de vergonha dos nossos vizinhos,

objeto de zombaria e menosprezo dos que nos rodeiam.

14Fizeste de nós um provérbio entre as nações;

os povos meneiam a cabeça quando nos veem.

15Sofro humilhação o tempo todo,

e o meu rosto está coberto de vergonha

16por causa da zombaria dos que me censuram e me provocam,

por causa do inimigo, que busca vingança.

17Tudo isso aconteceu conosco,

sem que nos tivéssemos esquecido de ti

nem tivéssemos traído a tua aliança.

18Nosso coração não voltou atrás

nem os nossos pés se desviaram da tua vereda.

19Todavia, tu nos esmagaste e fizeste de nós um covil de chacais,

e de densas trevas nos cobriste.

20Se tivéssemos esquecido o nome do nosso Deus

e tivéssemos estendido as nossas mãos a um deus estrangeiro,

21Deus não o teria descoberto?

Pois ele conhece os segredos do coração!

22Contudo, por amor de ti enfrentamos a morte todos os dias;

somos considerados como ovelhas destinadas ao matadouro.

23Desperta, Senhor! Por que dormes?

Levanta-te! Não nos rejeites para sempre.

24Por que escondes o teu rosto

e esqueces o nosso sofrimento e a nossa aflição?

25Fomos humilhados até o pó;

nossos corpos se apegam ao chão.

26Levanta-te! Socorre-nos!

Resgata-nos por causa da tua fidelidade.