Nova Versão Internacional

Salmos 35:1-28

Salmo 35

Davídico.

1Defende-me, Senhor, dos que me acusam;

luta contra os que lutam comigo.

2Toma os escudos, o grande e o pequeno;

levanta-te e vem socorrer-me.

3Empunha a lança e o machado de guerra35.3 Ou e bloqueia o caminho

contra os meus perseguidores.

Dize à minha alma: “Eu sou a sua salvação”.

4Sejam humilhados e desprezados

os que procuram matar-me;

retrocedam envergonhados

aqueles que tramam a minha ruína.

5Que eles sejam como a palha ao vento,

quando o anjo do Senhor os expulsar;

6seja a vereda deles sombria e escorregadia,

quando o anjo do Senhor os perseguir.

7Já que, sem motivo, prepararam contra mim uma armadilha oculta

e, sem motivo, abriram uma cova para mim,

8que a ruína lhes sobrevenha de surpresa:

sejam presos pela armadilha que prepararam,

caiam na cova que abriram,

para a sua própria ruína.

9Então a minha alma exultará no Senhor

e se regozijará na sua salvação.

10Todo o meu ser exclamará:

“Quem se compara a ti, Senhor?

Tu livras os necessitados daqueles que são

mais poderosos do que eles,

livras os necessitados e os pobres

daqueles que os exploram.”

11Testemunhas maldosas enfrentam-me

e questionam-me sobre coisas de que nada sei.

12Elas me retribuem o bem com o mal

e procuram tirar-me a vida35.12 Ou e estou abandonado.

13Contudo, quando estavam doentes,

usei vestes de lamento,

humilhei-me com jejum

e recolhi-me em oração35.13 Ou orei por eles sem cessar; ou ainda Ah! Se eu pudesse cancelar minhas orações.

14Saí vagueando e pranteando,

como por um amigo ou por um irmão.

Eu me prostrei enlutado,

como quem lamenta por sua mãe.

15Mas, quando tropecei,

eles se reuniram alegres;

sem que eu o soubesse, ajuntaram-se para me atacar.

Eles me agrediram sem cessar.

16Como ímpios caçoando do meu refúgio,

rosnaram contra mim.

17Senhor, até quando ficarás olhando?

Livra-me dos ataques deles,

livra a minha vida preciosa desses leões.

18Eu te darei graças na grande assembleia;

no meio da grande multidão te louvarei.

19Não deixes que os meus inimigos traiçoeiros

se divirtam à minha custa;

não permitas que aqueles que sem razão me odeiam

troquem olhares de desprezo.

20Não falam pacificamente,

mas planejam acusações falsas

contra os que vivem tranquilamente na terra.

21Com a boca escancarada,

riem de mim e me acusam: “Nós vimos! Sabemos de tudo!”

22Tu viste isso, Senhor! Não fiques calado.

Não te afastes de mim, Senhor,

23Acorda! Desperta! Faze-me justiça!

Defende a minha causa, meu Deus e Senhor.

24Senhor, meu Deus, tu és justo;

faze-me justiça para que eles não se alegrem à minha custa.

25Não deixes que pensem: “Ah! Era isso que queríamos!”

nem que digam: “Acabamos com ele!”

26Sejam humilhados e frustrados

todos os que se divertem à custa do meu sofrimento;

cubram-se de vergonha e desonra

todos os que se acham superiores a mim.

27Cantem de alegria e regozijo

todos os que desejam ver provada a minha inocência

e sempre repitam: “O Senhor seja engrandecido!

Ele tem prazer no bem-estar do seu servo”.

28Minha língua proclamará a tua justiça

e o teu louvor o dia inteiro.