King James Version

Lamentations 3

1I Am the man that hath seen affliction by the rod of his wrath.

He hath led me, and brought me into darkness, but not into light.

Surely against me is he turned; he turneth his hand against me all the day.

My flesh and my skin hath he made old; he hath broken my bones.

He hath builded against me, and compassed me with gall and travail.

He hath set me in dark places, as they that be dead of old.

He hath hedged me about, that I cannot get out: he hath made my chain heavy.

Also when I cry and shout, he shutteth out my prayer.

He hath inclosed my ways with hewn stone, he hath made my paths crooked.

10 He was unto me as a bear lying in wait, and as a lion in secret places.

11 He hath turned aside my ways, and pulled me in pieces: he hath made me desolate.

12 He hath bent his bow, and set me as a mark for the arrow.

13 He hath caused the arrows of his quiver to enter into my reins.

14 I was a derision to all my people; and their song all the day.

15 He hath filled me with bitterness, he hath made me drunken with wormwood.

16 He hath also broken my teeth with gravel stones, he hath covered me with ashes.

17 And thou hast removed my soul far off from peace: I forgat prosperity.

18 And I said, My strength and my hope is perished from the Lord:

19 Remembering mine affliction and my misery, the wormwood and the gall.

20 My soul hath them still in remembrance, and is humbled in me.

21 This I recall to my mind, therefore have I hope.

22 It is of the Lord's mercies that we are not consumed, because his compassions fail not.

23 They are new every morning: great is thy faithfulness.

24 The Lord is my portion, saith my soul; therefore will I hope in him.

25 The Lord is good unto them that wait for him, to the soul that seeketh him.

26 It is good that a man should both hope and quietly wait for the salvation of the Lord.

27 It is good for a man that he bear the yoke in his youth.

28 He sitteth alone and keepeth silence, because he hath borne it upon him.

29 He putteth his mouth in the dust; if so be there may be hope.

30 He giveth his cheek to him that smiteth him: he is filled full with reproach.

31 For the Lord will not cast off for ever:

32 But though he cause grief, yet will he have compassion according to the multitude of his mercies.

33 For he doth not afflict willingly nor grieve the children of men.

34 To crush under his feet all the prisoners of the earth.

35 To turn aside the right of a man before the face of the most High,

36 To subvert a man in his cause, the Lord approveth not.

37 Who is he that saith, and it cometh to pass, when the Lord commandeth it not?

38 Out of the mouth of the most High proceedeth not evil and good?

39 Wherefore doth a living man complain, a man for the punishment of his sins?

40 Let us search and try our ways, and turn again to the Lord.

41 Let us lift up our heart with our hands unto God in the heavens.

42 We have transgressed and have rebelled: thou hast not pardoned.

43 Thou hast covered with anger, and persecuted us: thou hast slain, thou hast not pitied.

44 Thou hast covered thyself with a cloud, that our prayer should not pass through.

45 Thou hast made us as the offscouring and refuse in the midst of the people.

46 All our enemies have opened their mouths against us.

47 Fear and a snare is come upon us, desolation and destruction.

48 Mine eye runneth down with rivers of water for the destruction of the daughter of my people.

49 Mine eye trickleth down, and ceaseth not, without any intermission.

50 Till the Lord look down, and behold from heaven.

51 Mine eye affecteth mine heart because of all the daughters of my city.

52 Mine enemies chased me sore, like a bird, without cause.

53 They have cut off my life in the dungeon, and cast a stone upon me.

54 Waters flowed over mine head; then I said, I am cut off.

55 I called upon thy name, O Lord, out of the low dungeon.

56 Thou hast heard my voice: hide not thine ear at my breathing, at my cry.

57 Thou drewest near in the day that I called upon thee: thou saidst, Fear not.

58 O Lord, thou hast pleaded the causes of my soul; thou hast redeemed my life.

59 O Lord, thou hast seen my wrong: judge thou my cause.

60 Thou hast seen all their vengeance and all their imaginations against me.

61 Thou hast heard their reproach, O Lord, and all their imaginations against me;

62 The lips of those that rose up against me, and their device against me all the day.

63 Behold their sitting down, and their rising up; I am their musick.

64 Render unto them a recompence, O Lord, according to the work of their hands.

65 Give them sorrow of heart, thy curse unto them.

66 Persecute and destroy them in anger from under the heavens of the Lord.

Nova Versão Internacional

Lamentações de Jeremias 3

1Eu sou o homem que viu a aflição
    trazida pela vara da sua ira.
Ele me impeliu e me fez andar na escuridão,
    e não na luz;
sim, ele voltou sua mão contra mim
    vez após vez, o tempo todo.
Fez que a minha pele e a minha carne
    envelhecessem
e quebrou os meus ossos.
Ele me sitiou e me cercou
    de amargura e de pesar.
Fez-me habitar na escuridão
    como os que há muito morreram.
Cercou-me de muros,
    e não posso escapar;
atou-me a pesadas correntes.
Mesmo quando chamo ou grito por socorro,
    ele rejeita a minha oração.
Ele impediu o meu caminho
    com blocos de pedra;
e fez tortuosas as minhas sendas.
10 Como um urso à espreita,
    como um leão escondido,
11 arrancou-me do caminho e despedaçou-me,
    deixando-me abandonado.
12 Preparou o seu arco
    e me fez alvo de suas flechas.
13 Atingiu o meu coração
    com flechas de sua aljava.
14 Tornei-me objeto de riso
    de todo o meu povo;
nas suas canções
    eles zombam de mim o tempo todo.
15 Fez-me comer ervas amargas
    e fartou-me de fel.
16 Quebrou os meus dentes com pedras;
    e pisoteou-me no pó.
17 Tirou-me a paz;
    esqueci-me o que é prosperidade.
18 Por isso digo: “Meu esplendor já se foi,
    bem como tudo o que eu esperava do Senhor”.
19 Lembro-me da minha aflição
    e do meu delírio,
da minha amargura e do meu pesar.
20 Lembro-me bem disso tudo,
    e a minha alma desfalece dentro de mim.
21 Todavia, lembro-me também
    do que pode me dar esperança:
22 Graças ao grande amor do Senhor
    é que não somos consumidos,
pois as suas misericórdias são inesgotáveis.
23 Renovam-se cada manhã;
    grande é a sua fidelidade!
24 Digo a mim mesmo:
    A minha porção é o Senhor;
portanto, nele porei a minha esperança.
25 O Senhor é bom para com aqueles
    cuja esperança está nele,
para com aqueles que o buscam;
26 é bom esperar tranqüilo
    pela salvação do Senhor.
27 É bom que o homem suporte o jugo
    enquanto é jovem.
28 Leve-o sozinho e em silêncio,
    porque o Senhor o pôs sobre ele.
29 Ponha o seu rosto no pó;
    talvez ainda haja esperança.
30 Ofereça o rosto a quem o quer ferir,
    e engula a desonra.
31 Porque o Senhor
    não o desprezará para sempre.
32 Embora ele traga tristeza,
    mostrará compaixão,
tão grande é o seu amor infalível.
33 Porque não é do seu agrado trazer aflição
    e tristeza aos filhos dos homens,
34 esmagar com os pés
    todos os prisioneiros da terra,
35 negar a alguém os seus direitos,
    enfrentando o Altíssimo,
36 impedir a alguém o acesso à justiça;
    não veria o Senhor tais coisas?
37 Quem poderá falar e fazer acontecer,
    se o Senhor não o tiver decretado?
38 Não é da boca do Altíssimo que vêm
    tanto as desgraças como as bênçãos?
39 Como pode um homem reclamar
    quando é punido por seus pecados?
40 Examinemos e coloquemos à prova
    os nossos caminhos,
e depois voltemos ao Senhor.
41 Levantemos o coração e as mãos
    para Deus, que está nos céus, e digamos:
42 “Pecamos e nos rebelamos,
    e tu não nos perdoaste.
43 Tu te cobriste de ira e nos perseguiste,
    massacraste-nos sem piedade.
44 Tu te escondeste atrás de uma nuvem
    para que nenhuma oração chegasse a ti.
45 Tu nos tornaste escória
    e refugo entre as nações.
46 Todos os nossos inimigos
    escancaram a boca contra nós.
47 Sofremos terror e ciladas,
    ruína e destruição”.
48 Rios de lágrimas correm dos meus olhos
    porque o meu povo foi destruído.
49 Meus olhos choram sem parar,
    sem nenhum descanso,
50 até que o Senhor contemple dos céus
    e veja.
51 O que eu enxergo enche-me a alma
    de tristeza,
    de pena de todas as mulheres da minha cidade.
52 Aqueles que, sem motivo,
    eram meus inimigos
caçaram-me como a um passarinho.
53 Procuraram fazer minha vida
    acabar na cova
e me jogaram pedras;
54 as águas me encobriram a cabeça,
    e cheguei a pensar
que o fim de tudo tinha chegado.
55 Clamei pelo teu nome, Senhor,
    das profundezas da cova.
56 Tu ouviste o meu clamor:
    “Não feches os teus ouvidos
aos meus gritos de socorro”.
57 Tu te aproximaste quando a ti clamei,
    e disseste: “Não tenha medo”.
58 Senhor, tu assumiste a minha causa;
    e redimiste a minha vida.
59 Tu tens visto, Senhor,
    o mal que me tem sido feito.
Toma a teu cargo a minha causa!
60 Tu viste como é terrível a vingança deles,
    todas as suas ciladas contra mim.
61 Senhor, tu ouviste os seus insultos,
    todas as suas ciladas contra mim,
62 aquilo que os meus inimigos sussurram
    e murmuram o tempo todo contra mim.
63 Olha para eles! Sentados ou em pé,
    zombam de mim com as suas canções.
64 Dá-lhes o que merecem, Senhor,
    conforme o que as suas mãos têm feito.
65 Coloca um véu sobre os seus corações
    e esteja a tua maldição sobre eles.
66 Persegue-os com fúria e elimina-os
    de debaixo dos teus céus, ó Senhor.