O Livro

1 Samuel 17

David e Golias

1Os filisteus convocaram o seu exército para uma guerra e acamparam entre Socó em Judá e Azeca em Efes-Damim. Saul combatia-os com um ajuntamento de tropas reunidas no vale de Elá. Os filisteus e os israelitas encontravam-se frente a frente em duas colinas opostas com o vale entre eles.

Golias, um grande guerreiro originário de Gate, avançou nas fileiras dos filisteus e colocou-se diante das forças militares israelitas. Tratava-se de um verdadeiro gigante; media para cima de 3 metros de altura! Trazia um capacete de bronze e vestia uma couraça que pesava uns 60 quilos. Tinha as pernas protegidas com caneleiras também de bronze e a sua lança, do mesmo metal, tinha vários centímetros de espessura, estando guarnecida com uma ponta de ferro com cerca de 7 quilos. O seu escudeiro ia à frente carregando um grande escudo.

8-9 Golias parou então e gritou para os israelitas: “Porque precisam de um exército alinhado para a batalha? Não sou eu um filisteu e vocês servos de Saul? Escolham algum dos vossos para combater comigo. Se o vosso homem conseguir matar-me, seremos vossos escravos, mas se for eu a matá-lo, serão vocês nossos escravos! 10 Desafio os exércitos de Israel! Mandem vir um homem que combata comigo!” 11 Ao ouvir isto, Saul e todo o exército israelita ficaram extremamente angustiados e aterrorizados.

12 Em Belém de Judá havia um homem da família de Efraim chamado Jessé. Tinha oito filhos e um deles era David. Nesta altura Jessé já era bastante idoso. 13 Os seus três filhos mais velhos, Eliabe, Abinadabe e Samá, tinham seguido o exército de Saul para combaterem os filisteus. 14 Enquanto os três mais velhos permaneciam com o exército do rei, David, que era o mais novo, 15 ia ter com Saul e voltava para Belém, a fim de cuidar do rebanho de seu pai.

16 Durante 40 dias, duas vezes por dia, de manhã e à tarde, o gigante filisteu pavoneava-se perante as forças israelitas.

17 Um dia, Jessé disse ao seu filho David: “Leva estes 22 litros de grão torrado mais estes dez bolos aos teus irmãos. 18 Dá também esses queijos ao capitão e vê se estão a passar bem. Toma conta de algum recado que me queiram mandar.”

19 Saul e as suas forças militares estavam acampados no vale de Elá. 20 David deixou as ovelhas entregues a outro pastor e partiu de manhã cedo levando o que o pai enviava aos filhos. Chegou à entrada do acampamento, quando o exército israelita se preparava para a batalha com gritos e apelos à luta. 21 As forças inimigas encontravam-se frente a frente em disposição de combate. 22 David entregou o seu fardo ao bagageiro e correu para as fileiras à procura dos irmãos. 23 Enquanto conversava com eles, viu Golias avançar entre os pelotões filisteus e gritar o seu desafio às tropas de Israel. E David ouviu-o. 24 Assim que o viram, recuaram aterrorizados.

25 “Viste aquele gigante?”, perguntavam os soldados. “Tem insultado o exército de Israel. O rei ofereceu já uma enorme recompensa a quem o matar: dar-lhe-á uma das suas filhas e toda a sua família ficará isenta de impostos!”

26 David informou-se, junto de alguns que ali estavam perto, sobre o que fariam àquele que matasse o filisteu e parasse com aqueles insultos a Israel. “Quem é este incircunciso filisteu que ousa desafiar os exércitos do Deus vivo?”, perguntava. 27 E davam-lhe sempre a mesma resposta.

28 O irmão mais velho de David, Eliabe, quando ouviu David falar desta maneira, ficou muito zangado: “Afinal o que estás tu aqui a fazer? A quem deixaste aquelas poucas ovelhas lá no deserto? Sei bem como és atrevido e gabarola! Queres é ver a peleja!”

29 “Que foi que eu fiz agora? Fiz apenas uma pergunta!” 30 E afastou-se para continuar a falar com outros, dizendo-lhe toda a gente a mesma coisa. 31 As pessoas começaram a reparar nele e no que dizia e foram contar a Saul. Este mandou chamá-lo.

32 “Que ninguém se angustie por causa daquele gigante”, disse David. “Eu me encarregarei desse filisteu!”

33 “Como é que um rapaz como tu poderia fazer frente a um homem daqueles que é soldado desde a sua mocidade?”

34 David insistiu: “Quando estou a tomar conta das ovelhas do meu pai, se aparece um leão ou um urso para roubar um cordeiro do rebanho, 35 corro atrás dele e tiro-lhe o cordeiro da boca. Se ele se volta contra mim, agarro-o pelas mandíbulas e despedaço-o até morrer. 36 Fiz isto tanto com ursos como com leões; certamente que poderei fazer o mesmo em relação a esse incircunciso filisteu que teve a ousadia de desafiar os exércitos do Deus vivo! 37 O Senhor, que me salvou dos dentes do leão e do urso, salvar-me-á também deste filisteu!”

Saul, por fim, consentiu: “Está bem, vai lá e que o Senhor seja contigo!”

38 Saul deu-lhe a sua própria armadura; uma couraça de bronze e uma cota de malha. 39 David colocou aquilo tudo sobre si, cingiu a espada e deu dois ou três passos para ver como se sentia, porque era a primeira vez que usava um equipamento de combate. “Eu nem sequer me posso mexer! Nunca andei com coisas destas!” E tirou tudo.

40 Foi depois buscar à torrente, que por ali passava, cinco pequenos seixos e colocou-os no seu alforge; pegou no cajado e na funda e dirigiu-se na direção de Golias. 41 Este veio também ao seu encontro, com o homem que lhe levava o escudo à sua frente, 42 olhando com desprezo aquele rapaz de rosto corado e de aspeto gentil.

43 “Ouve lá, sou algum cão”, rugiu para David, “para vires contra mim com um pau?” E amaldiçoou David pelos nomes dos seus deuses. 44 “Vem cá para que dê a tua carne a comer às aves e aos animais selvagens”, gritou Golias.

45 David, por sua vez, gritou-lhe como resposta: “Tu vens contra mim armado de lança e escudo, mas eu lutarei contigo em nome do Senhor dos exércitos, o Deus das hostes de Israel, o verdadeiro Deus, a quem tens afrontado. 46 Hoje o Senhor te entregará na minha mão; hei de matar-te e cortar-te a cabeça e depois darei os corpos mortos dos teus homens aos pássaros e às feras; toda a gente ficará a saber que há um Deus em Israel! 47 E todos os que aqui estão hão de ver que o Senhor não depende de armas de guerra para dar cumprimento aos seus planos de salvação; ele atua sem estar sujeito a meios humanos. Esta questão é só dele e ele vos entregará na nossa mão.”

48 Golias aproximou-se e David correu ao seu encontro. 49 Tirando do alforge uma das pequenas pedras, pô-la na funda e feriu o filisteu na cabeça. O seixo cravou-se mesmo na fronte, de tal forma que o homem caiu com o rosto no chão. 50 David conseguiu vencer o gigante filisteu com uma simples funda e uma pedra. 51 Como não tinha espada, correu para Golias, tirou a dele da bainha e matou-o cortando-lhe a cabeça. Quando os filisteus viram aquilo, e que o seu campeão estava morto, desataram a fugir.

52 Os israelitas deram um grande grito de triunfo e foram atrás deles, perseguindo-os até Gate e até às portas de Ecrom. Os corpos dos mortos e dos feridos espalhavam-se por todo o caminho de Saaraim. 53 As tropas israelitas regressaram e despojaram o acampamento abandonado pelos filisteus.

54 Mais tarde, David levou a cabeça de Golias para Jerusalém, mas guardou as armas de Golias na sua própria tenda.

55 Saul, quando viu David dirigir-se na direção de Golias, perguntou a Abner, o general do seu exército: “Abner, a que família pertence este rapaz?”

“Realmente não sei!”

56 “Então procura informar-te”, disse-lhe o rei.

57 Depois de David ter matado Golias, Abner trouxe-o junto de Saul com a cabeça do gigante ainda nas mãos.

58 “Fala-me lá do teu pai, meu rapaz”, pediu-lhe Saul.

David respondeu: “Chama-se Jessé. Vivemos em Belém.”