O Livro

Êxodo 15

O cântico de Moisés

1Então Moisés e todo o povo de Israel cantaram este cântico ao Senhor:

“Canto ao Senhor porque triunfou gloriosamente,
lançando ao mar os carros e os cavaleiros.

O Senhor é a minha força, o motivo do meu cântico.
Ele é a minha salvação.
Ele é o meu Deus, por isso o louvarei.
É o Deus de meu pai,
por isso lhe darei glória.
O Senhor é um poderoso combatente!
Sim, Senhor é o seu nome!
Lançou ao mar os carros de guerra
e os exércitos do Faraó;
todos os seus chefes militares de elite
se afogaram no mar Vermelho;
submergiram sob as águas profundas
como se fossem pedras pesadas.
A tua mão, Senhor, tem um poder glorioso;
despedaça completamente o inimigo!

Na grandeza da tua majestade
abateste os que se levantaram contra ti.
O teu furor arde e consome-os como palha.
Tu sopraste com poder
e as águas separaram-se!
Formaram paredes
que aguentaram solidamente o peso das águas.
O inimigo dizia:
‘Vou persegui-los e apanhá-los!
Vou dividir os seus despojos
e com eles satisfazer os meus desejos!
Desembainharei a espada para os exterminar!’
10 Mas Deus soprou o seu vento
e o mar os cobriu e afundaram-se
como chumbo naquelas águas impetuosas.
11 Quem é como tu, desses deuses que há por aí?
Quem é glorioso na sua santidade como tu?
Quem é tão magnífico nas maravilhas que faz?

12 Estendeste a tua mão
e a terra os tragou!
13 Pela tua bondade, conduziste o povo que salvaste;
pela tua força, conduziste-o à tua santa morada.
14 As outras nações ouviram o que aconteceu e tremeram;
o medo apoderou-se dos habitantes da Filístia.
15 Os chefes de Edom ficaram pasmados;
os poderosos de Moabe tremeram;
todos o habitantes de Canaã ficaram aterrorizados.
16 O pavor e o espanto os dominou.
Ó Senhor, foi por causa do teu forte braço
que eles não conseguiram atacar-nos.
O teu povo, que adquiriste para ti,
passará sempre por eles em segurança.
17 Tu os trarás e os plantarás na tua montanha,
na tua santa terra, ó Senhor,
o santuário que fizeste para eles viverem.
18 O Senhor reinará eterna e perpetuamente!”

19 Os cavalos do Faraó mais os seus cavaleiros, conduzindo carros de guerra, tentaram segui-los também através do mar. Mas o Senhor fez desabar sobre eles as paredes de água, enquanto o povo de Israel continuou no seu caminho como se fosse por terra seca.

20 Então Miriam a profetisa, irmã de Aarão, pegou num tamboril e todas as mulheres a seguiram, dançando e tocando os seus pequenos tambores. 21 E Miriam acompanhava a dança com estas palavras:

“Cantem ao Senhor porque triunfou gloriosamente,
lançando ao mar os carros e os cavaleiros.”

As águas de Mara e Elim

22 Depois Moisés levou o povo do mar Vermelho em direção ao deserto de Sur e andaram naquela região três dias sem achar água. 23 Chegaram a Mara e encontraram água, mas não a podiam beber porque era amarga. Daí o nome do lugar, que quer dizer amargo.

24 O povo voltou-se contra Moisés: “E agora, vamos morrer de sede?” 25 Moisés clamou ao Senhor por ajuda e o Senhor mostrou-lhe uma certa árvore, que lançou nessa água; e assim tornou-se boa para beber.

Foi ali mesmo também que o Senhor lhes fixou as seguintes condições, para provar a sua vontade de o seguir: 26 “Se estiverem decididos a obedecer à voz do Senhor, vosso Deus, e a fazer o que for reto, e seguirem atentamente os seus mandamentos e leis, guardar-vos-ei de todos os males que mandei ao Egito, porque eu sou o Senhor que vos sara.”

27 Vieram a Elim, onde havia 12 fontes e 70 palmeiras, e acamparam ali perto da água.