New International Version - UK

1 Corinthians 14

Intelligibility in worship

1Follow the way of love and eagerly desire gifts of the Spirit, especially prophecy. For anyone who speaks in a tongue[a] does not speak to people but to God. Indeed, no one understands them; they utter mysteries by the Spirit. But the one who prophesies speaks to people for their strengthening, encouraging and comfort. Anyone who speaks in a tongue edifies themselves, but the one who prophesies edifies the church. I would like every one of you to speak in tongues,[b] but even more to prophesy. The one who prophesies is greater than the one who speaks in tongues,[c] unless someone interprets, so that the church may be edified.

Now, brothers and sisters, if I come to you and speak in tongues, what good will I be to you, unless I bring you some revelation or knowledge or prophecy or word of instruction? Even in the case of lifeless things that make sounds, such as the pipe or harp, how will anyone know what tune is being played unless there is a distinction in the notes? Again, if the trumpet does not sound a clear call, who will get ready for battle? So it is with you. Unless you speak intelligible words with your tongue, how will anyone know what you are saying? You will just be speaking into the air. 10 Undoubtedly there are all sorts of languages in the world, yet none of them is without meaning. 11 If then I do not grasp the meaning of what someone is saying, I am a foreigner to the speaker, and the speaker is a foreigner to me. 12 So it is with you. Since you are eager for gifts of the Spirit, try to excel in those that build up the church.

13 For this reason the one who speaks in a tongue should pray that they may interpret what they say. 14 For if I pray in a tongue, my spirit prays, but my mind is unfruitful. 15 So what shall I do? I will pray with my spirit, but I will also pray with my understanding; I will sing with my spirit, but I will also sing with my understanding. 16 Otherwise when you are praising God in the Spirit, how can someone else, who is now put in the position of an enquirer,[d] say ‘Amen’ to your thanksgiving, since they do not know what you are saying? 17 You are giving thanks well enough, but no one else is edified.

18 I thank God that I speak in tongues more than all of you. 19 But in the church I would rather speak five intelligible words to instruct others than ten thousand words in a tongue.

20 Brothers and sisters, stop thinking like children. In regard to evil be infants, but in your thinking be adults. 21 In the Law it is written:

‘With other tongues
    and through the lips of foreigners
I will speak to this people,
    but even then they will not listen to me,
says the Lord.’[e]

22 Tongues, then, are a sign, not for believers but for unbelievers; prophecy, however, is not for unbelievers but for believers. 23 So if the whole church comes together and everyone speaks in tongues, and enquirers or unbelievers come in, will they not say that you are out of your mind? 24 But if an unbeliever or an enquirer comes in while everyone is prophesying, they are convicted of sin and are brought under judgment by all, 25 as the secrets of their hearts are laid bare. So they will fall down and worship God, exclaiming, ‘God is really among you!’

Good order in worship

26 What then shall we say, brothers and sisters? When you come together, each of you has a hymn, or a word of instruction, a revelation, a tongue or an interpretation. Everything must be done so that the church may be built up. 27 If anyone speaks in a tongue, two – or at the most three – should speak, one at a time, and someone must interpret. 28 If there is no interpreter, the speaker should keep quiet in the church and speak to himself and to God.

29 Two or three prophets should speak, and the others should weigh carefully what is said. 30 And if a revelation comes to someone who is sitting down, the first speaker should stop. 31 For you can all prophesy in turn so that everyone may be instructed and encouraged. 32 The spirits of prophets are subject to the control of prophets. 33 For God is not a God of disorder but of peace – as in all the congregations of the Lord’s people.

34 Women[f] should remain silent in the churches. They are not allowed to speak, but must be in submission, as the law says. 35 If they want to enquire about something, they should ask their own husbands at home; for it is disgraceful for a woman to speak in the church.[g]

36 Or did the word of God originate with you? Or are you the only people it has reached? 37 If anyone thinks they are a prophet or otherwise gifted by the Spirit, let them acknowledge that what I am writing to you is the Lord’s command. 38 But if anyone ignores this, they will themselves be ignored.[h]

39 Therefore, my brothers and sisters, be eager to prophesy, and do not forbid speaking in tongues. 40 But everything should be done in a fitting and orderly way.

Footnotes

  1. 1 Corinthians 14:2 Or in another language; also in verses 4, 13, 14, 19, 26 and 27
  2. 1 Corinthians 14:5 Or in other languages; also in verses 6, 18, 22, 23 and 39
  3. 1 Corinthians 14:5 Or in other languages; also in verses 6, 18, 22, 23 and 39
  4. 1 Corinthians 14:16 The Greek word for enquirer is a technical term for someone not fully initiated into a religion; also in verses 23 and 24.
  5. 1 Corinthians 14:21 Isaiah 28:11,12
  6. 1 Corinthians 14:34 Or peace. As in all the congregations of the Lord’s people, 34 women
  7. 1 Corinthians 14:35 In a few manuscripts these verses come after verse 40.
  8. 1 Corinthians 14:38 Some manuscripts But anyone who is ignorant of this will be ignorant

O Livro

1 Coríntios 14

Os dons da profecia e das línguas

1Que o amor seja o vosso fundamental objectivo; mas aspirem também com zelo aos dons que o Espírito Santo vos dá, e especialmente o dom de pregar a mensagem de Deus. Aquele que fala línguas fala com Deus, mas não com os outros, visto que os outros não poderão entendê­lo. É verdade que poderão estar a falar pelo poder do Espírito, mas será como algo misterioso. Aquele que profetizar estará a ajudar os outros a crescerem no Senhor, encorajando­os e confortando­os. Uma pessoa que fala línguas estará a ajudar­se a si própria a crescer espiritualmente, mas aquele que prega em nome de Deus ajuda toda a igreja a crescer.

Gostaria que todos falassem línguas, mas muito mais ainda que todos fossem capacitados a falar da mensagem de Deus, porque isso representa um poder espiritual muito maior do que falar línguas desconhecidas, a não ser que alguém interprete o que está a ser dito, para que os outros possam obter disso algum proveito espiritual.

Queridos irmãos, ainda que eu próprio viesse ter convosco falando­vos numa língua que não percebessem, como é que vos poderia ajudar? Mas se vos disser com toda a simplicidade o que Deus me revelou, e vos relatar aquilo que sei, e aquilo que há­de acontecer, e enfim todas as grandes verdades da palavra de Deus, isso é que vos poderá ajudar. Até os instrumentos de música, a flauta, por exemplo, ou a harpa, demonstram a necessidade de que tudo o que se exprime seja com clareza, com nitidez. Ninguém reconhecerá a melodia que o instrumento estiver a tocar, se cada nota não soar com clareza. E se no exército o corneteiro não tocar notas certas, como é que os soldados saberão que estão a ser chamados para a batalha? De igual forma se se falar com alguém numa linguagem que ele não perceba, como é que ele há­de saber o que lhe estão a dizer? Seria a mesma coisa que falar numa sala sem ninguém.

10 Suponho que haverá centenas de línguas diferentes neste mundo, e que todas elas exprimem bem o pensamento daqueles que as falam. 11 Mas se eu não souber o sentido daquilo que dizem, alguém que me fale numa dessas línguas será sempre para mim um estrangeiro, tanto como eu para ele. 12 Visto que desejam ter dons do Espírito Santo, peçam para ter os que serão de real utilidade para toda a igreja.

13 Se a alguém é concedido o dom de falar línguas desconhecidas, deve também orar para que lhe seja dado o dom de interpretação, a fim de que o possa depois dizer explicitamente aos outros o que estava a falar. 14 Porque se eu orar em línguas, o meu espírito está a orar, mas no meu pensamento eu não sei o que estou a dizer.

15 Pois bem, que devo então fazer? As duas coisas: orarei no Espírito, e orarei com palavras que eu entendo; cantarei no Espírito e cantarei com palavras que eu entendo. 16 Porque se louvarem Deus de uma forma espiritual, sem que o entendimento acompanhe o que estão a dizer numa língua desconhecida, como é que aqueles que estão presentes vos podem acompanhar no louvor a Deus se não sabem o que vocês estão a dizer? 17 Podem até estar a dizer coisas muito belas mas que não serão de ajuda nenhuma para quem ali está.

18 Eu dou graças a Deus porque falo em línguas mais do que qualquer um de vocês. 19 Mas num culto público preferiria muito mais dizer uma frase apenas, com cinco palavras que fosse, mas que todos compreendessem e que a todos ajudasse, do que um discurso de milhares de palavras numa língua desconhecida.

20 Queridos irmãos, não se deixem ficar num nível infantil quanto à compreensão destas coisas. Quando se trata de imaginar o mal, nessa altura sim, convém que sejam como meninos inocentes; mas procurem entender as coisas desta natureza com a inteligência madura de pessoas adultas. 21 As Escrituras dizem­nos:

“Enviarei homens de outras terras
para falar em línguas estrangeiras ao meu povo, diz o Senhor,
e mesmo assim não hão­de escutar”.

22 Vêem então que o falar em línguas pode ser um sinal para os descrentes. Enquanto que anunciar a mensagem de Deus é para os crentes. 23 Com efeito, se um descrente vem à igreja e vos ouve falar noutras línguas, bem poderá pensar que estão todos fora do seu perfeito juízo. 24 Mas se estiverem a apresentar a mensagem de Deus e se um estranho à igreja entrar, ou alguém que ainda não compreenda tudo, em todo o caso tem a possibilidade de ser convencido, e a sua consciência será sensibilizada por tudo aquilo que ouvir. 25 À medida que for ouvindo, os seus pensamento mais íntimos serão postos a nu perante Deus e no seu espírito cairá diante do Senhor, adorando­o e confessando que Deus está na verdade no vosso meio.

Ordem nas reuniões da igreja

26 Pois bem, irmãos, resumamos o que já se disse. Quando se reúnem, um canta um hino, outro tem um ensinamento, um outro tem algo especial que Deus lhe revelou, outro fala numa língua desconhecida, enquanto outro interpreta o que foi dito por aquele. Mas tudo o que for feito deve ser de utilidade para todos e seu crescimento no Senhor. 27 Não deveriam falar mais do que dois ou três em línguas desconhecidas, e que fale um de cada vez, havendo sempre alguém para interpretar. 28 Mas se não houver ninguém que interprete, devem ficar em silêncio na reunião da igreja e falar em línguas consigo próprio e com Deus.

29 Também dois ou três podem dizer a mensagem de Deus, cada um por sua vez, se tiverem o dom para tal, enquanto os outros devem ouvir atentamente. 30 E se, enquanto alguém está a falar a palavra de Deus, outra pessoa receber uma revelação do Senhor, aquele que está a falar deve terminar. 31 Assim pois todos os que têm uma profecia podem falar, mas um após o outro; dessa forma todos aprenderão e serão ajudados. 32 Lembrem­se de que uma pessoa que tenha uma mensagem de Deus deve ser capaz de se conter a si próprio e de esperar pela sua vez. 33 Deus não pode aceitar a desordem. Deus ama a harmonia; e é isso que ele deseja encontrar em todas as igrejas.

34 As mulheres devem ficar em silêncio durante as reuniões na igreja. Não devem tomar parte nas discussões. Sejam submissas, tal como mandam as Escrituras. 35 Se tiverem questões a apresentar, que o façam aos maridos em casa; não é próprio para as mulheres falar nos cultos da igreja.

36 Será que vocês pensam que o conhecimento da palavra de Deus começa e acaba unicamente em vocês, coríntios? Pois bem, estão enganados! 37 Vocês que reclamam ter o dom de falar em nome de Deus, e outras capacidades da parte do Espírito Santo, deveriam ser os primeiros a perceber que o que estou a dizer é um mandamento da parte do Senhor. 38 Mas, enfim, se alguém continua discordando, não temos mais que o deixar na sua ignorância.

39 Portanto, meus irmãos na fé, procurem anciosamente pregar em nome de Deus a sua mensagem com toda a nitidez; e não impeçam o falar em línguas. 40 Certifiquem­se de que tudo é feito em ordem, e sempre da forma mais conveniente.