King James Version

Job 15:1-35

1Then answered Eliphaz the Temanite, and said, 2Should a wise man utter vain knowledge, and fill his belly with the east wind?15.2 vain…: Heb. knowledge of wind 3Should he reason with unprofitable talk? or with speeches wherewith he can do no good? 4Yea, thou castest off fear, and restrainest prayer before God.15.4 castest…: Heb. makest void15.4 prayer: or, speech 5For thy mouth uttereth thine iniquity, and thou choosest the tongue of the crafty.15.5 uttereth: Heb. teacheth 6Thine own mouth condemneth thee, and not I: yea, thine own lips testify against thee. 7Art thou the first man that was born? or wast thou made before the hills? 8Hast thou heard the secret of God? and dost thou restrain wisdom to thyself? 9What knowest thou, that we know not? what understandest thou, which is not in us? 10With us are both the grayheaded and very aged men, much elder than thy father. 11Are the consolations of God small with thee? is there any secret thing with thee? 12Why doth thine heart carry thee away? and what do thy eyes wink at, 13That thou turnest thy spirit against God, and lettest such words go out of thy mouth? 14What is man, that he should be clean? and he which is born of a woman, that he should be righteous? 15Behold, he putteth no trust in his saints; yea, the heavens are not clean in his sight. 16How much more abominable and filthy is man, which drinketh iniquity like water?

17I will shew thee, hear me; and that which I have seen I will declare; 18Which wise men have told from their fathers, and have not hid it: 19Unto whom alone the earth was given, and no stranger passed among them. 20The wicked man travaileth with pain all his days, and the number of years is hidden to the oppressor. 21A dreadful sound is in his ears: in prosperity the destroyer shall come upon him.15.21 A dreadful…: Heb. A sound of fears 22He believeth not that he shall return out of darkness, and he is waited for of the sword. 23He wandereth abroad for bread, saying, Where is it? he knoweth that the day of darkness is ready at his hand. 24Trouble and anguish shall make him afraid; they shall prevail against him, as a king ready to the battle. 25For he stretcheth out his hand against God, and strengtheneth himself against the Almighty. 26He runneth upon him, even on his neck, upon the thick bosses of his bucklers: 27Because he covereth his face with his fatness, and maketh collops of fat on his flanks. 28And he dwelleth in desolate cities, and in houses which no man inhabiteth, which are ready to become heaps. 29He shall not be rich, neither shall his substance continue, neither shall he prolong the perfection thereof upon the earth. 30He shall not depart out of darkness; the flame shall dry up his branches, and by the breath of his mouth shall he go away. 31Let not him that is deceived trust in vanity: for vanity shall be his recompence. 32It shall be accomplished before his time, and his branch shall not be green.15.32 accomplished: or, cut off 33He shall shake off his unripe grape as the vine, and shall cast off his flower as the olive. 34For the congregation of hypocrites shall be desolate, and fire shall consume the tabernacles of bribery. 35They conceive mischief, and bring forth vanity, and their belly prepareth deceit.15.35 vanity: or, iniquity

O Livro

Job 15:1-35

Elifaz

1Resposta de Elifaz, o temanita:

2“Tu és considerado como sendo um sábio,

no entanto, acabas de nos expor a essa conversa tola.

Não vales mais que um saco cheio de vento;

não devias ter direito a falar tão insensatamente.

3Que utilidade podem ter todas essas palavras?

4Não temes tu a Deus? Não o reverencias?

5São os teus pecados que te ensinam a falar dessa maneira;

as tuas palavras baseiam-se na astúcia e na deceção.

6Mas afinal porque haveria de ser eu a acusar-te?

A tua própria boca o faz!

7Serás tu, por acaso, o primeiro homem que nasceu?

Terias nascido antes das montanhas terem sido formadas?

8Estiveste a ouvir as secretas intenções de Deus?

Terás sido convocado para o seu gabinete pessoal,

para o centro das suas decisões?

Terás o monopólio da sabedoria?

9Que sabes tu que nós não saibamos?

Que inteligência tens das coisas que nós não tenhamos?

10Temos connosco gente mais velha,

até do que o teu próprio pai!

11As consolações de Deus valem assim tão pouco para ti?

A sua gentileza parece-te certamente muito rude.

12Que é isso que andas a fazer, de um lado para o outro,

cheio de ira, com os olhos flamejantes?

13Voltas-te contra Deus

e dizes todas essas coisas ruins contra ele.

14Haverá alguém sobre a face da Terra tão puro e tão justo

como tu próprio pretendes ser?

15Como? Pois se nem mesmo nos anjos Deus confia!

Nem sequer os próprios céus podem ser absolutamente puros,

se comparados com ele!

16Quanto menos o homem, que é corrupto e pecador,

bebendo o pecado como uma esponja absorve a água!

17Escuta-me e responder-te-ei,

de acordo com a minha própria experiência,

18confirmada também pela experiência de gente sábia,

que já ouviu as mesmas coisas de seus pais,

19os nossos antepassados, aqueles a quem foi dada esta terra

e que nos passaram, a nós, esses conhecimentos:

20O ímpio estará sempre em aflição através da vida,

como também o tirano, nos poucos anos que lhe são reservados.

21Sons de terrores chegam-lhe aos ouvidos

e, quando as coisas parecem correr-lhe bem,

atacam-no por todos os lados.

22Não ousa sair para o escuro,

com medo de ser assassinado.

23Vagueia por toda a parte,

implorando por mantimento.

24Vive no temor, em apertos, na angústia;

os seus inimigos facilmente dão conta dele,

tal como um forte rei abate os seus adversários.

25Estende orgulhosamente o punho contra Deus,

desafiando o Todo-Poderoso,

26arremetendo-o obstinadamente contra ele,

protegido pelo seu resistente escudo.

27O seu rosto é gordo e a sua cintura está inchada.

28Vivem em cidades abandonadas, em casas desabitadas,

que estavam prestes a cair em ruínas.

29Mas não ficarão assim ricos

e não alargarão os seus domínios.

30A escuridão os engolirá para sempre;

a respiração de Deus bastará para os destruir;

as chamas consumirão tudo o que têm.

31Que o homem nunca mais confie em coisas falíveis,

que não continue a enganar-se a si próprio!

Porque o dinheiro em que confia

acabará por lhe dar a paga que merece.

32Mesmo antes de morrer,

toda a sua futilidade se tornará evidente para ele,

pois como uma palmeira que murcha, assim será.

33Cairá no chão como as uvas ainda verdes de uma videira,

como oliveira que deixa cair a flor.

34Os descrentes são gente inútil;

o fogo acabará por consumir os que se entregam à corrupção.

35A única coisa que podem conceber e produzir é o pecado;

os seus corações dão à luz só maldade.”