Chinese Contemporary Bible (Simplified)

箴言 23:1-35

1你若与官长同席,

要注意面对的是谁。

2如果你是贪吃的人,

就要节制食欲23:2 节制食欲”希伯来文是“把刀放在喉咙上”。

3不可贪恋他的美食,

这美食是圈套。

4别为钱财耗尽心力,

要明智,适可而止。

5钱财眨眼之间消逝无踪,

它必长出翅膀如鹰飞去。

6不要吃吝啬人的饭,

不可贪图他的美味。

7因为他总是精于算计,

嘴上说“请吃,请喝”,

心里却另有盘算。

8你必呕出所吃的那点饭,

你说的美言都必枉费。

9不要和愚人说话,

他必藐视你的智言。

10不可挪移古时的界石,

不可侵占孤儿的田地。

11因他们的救赎主强大,

祂必对付你,替他们申冤。

12你要专心接受教诲,

侧耳倾听智言。

13不要疏于管教孩子,

杖责不会使他毙命,

14杖责能救他脱离死亡。

15孩子啊,

你若心里有智慧,

我心里也会欢喜。

16你的口若说正直的话,

我的内心也欢畅不已。

17不要心里羡慕罪人,

要终日敬畏耶和华。

18这样,你必前途光明,

你的盼望不会幻灭。

19孩子啊,听我的话,

要有智慧,心守正道。

20不要结交酒肉朋友,

21因为好酒贪吃者必穷困,

贪睡的人必穿破衣烂衫。

22要听从生养你的父亲,

不可轻视年老的母亲。

23要买真理、智慧、教诲和悟性,

不可卖掉。

24义人的父亲喜乐无限,

智慧之子使父母欢欣。

25你要使父母快乐,

叫生你的人欢欣。

26孩子啊,把你的心交给我,

欢然走我的道路。

27妓女是深坑,淫妇是陷阱;

28她像强盗般埋伏,

使世间增添奸徒。

29谁有灾祸?谁有忧伤?

谁有争吵?谁有怨言?

谁无故受伤?谁两眼发红?

30就是那些沉迷醉乡,

品尝醇和之酒的人!

31虽然鲜红的酒在杯中闪烁,

喝下去痛快,但不要盯着它。

32它终必像蛇一样伤你,

像毒蛇一样咬你。

33你的眼会看见怪异的景象,

你会神智不清,胡言乱语。

34你好像躺在怒海中,

又像卧在桅杆顶上。

35你会说:“人打我,我不痛;

人揍我,我不知。

什么时候醒了,再干一杯!”

Nova Versão Internacional

Provérbios 23:1-35

1Quando você se assentar para uma refeição com alguma autoridade,

observe com atenção quem está diante de você

2e encoste a faca à sua própria garganta

se estiver com grande apetite.

3Não deseje as iguarias que lhe oferece,

pois podem ser enganosas.

4Não esgote suas forças tentando ficar rico;

tenha bom senso!

5As riquezas desaparecem assim que você as contempla;

elas criam asas e voam como águias pelo céu.

6Não aceite a refeição de um hospedeiro invejoso23.6 Hebraico: de olhos maus.,

nem deseje as iguarias que lhe oferece;

7pois ele só pensa nos gastos.

Ele lhe diz: “Coma e beba!”, mas não fala com sinceridade.

8Você vomitará o pouco que comeu,

e desperdiçará a sua cordialidade.

9Não vale a pena conversar com o tolo,

pois ele despreza a sabedoria do que você fala.

10Não mude de lugar os antigos marcos de propriedade,

nem invada as terras dos órfãos,

11pois aquele que defende os direitos23.11 Hebraico: o resgatador. deles é forte.

Ele lutará contra você para defendê-los.

12Dedique à disciplina o seu coração

e os seus ouvidos às palavras que dão conhecimento.

13Não evite disciplinar a criança;

se você a castigar com a vara, ela não morrerá.

14Castigue-a, você mesmo, com a vara,

e assim a livrará da sepultura23.14 Hebraico: Sheol. Essa palavra também pode ser traduzida por profundezas, ou morte..

15Meu filho, se o seu coração for sábio,

o meu coração se alegrará.

16Sentirei grande alegria

quando os seus lábios falarem com retidão.

17Não inveje os pecadores em seu coração;

melhor será que tema sempre o Senhor.

18Se agir assim, certamente haverá bom futuro para você,

e a sua esperança não falhará.

19Ouça, meu filho, e seja sábio;

guie o seu coração pelo bom caminho.

20Não ande com os que se encharcam de vinho,

nem com os que se empanturram de carne.

21Pois os bêbados e os glutões se empobrecerão,

e a sonolência os vestirá de trapos.

22Ouça o seu pai, que o gerou;

não despreze sua mãe quando ela envelhecer.

23Compre a verdade e não abra mão dela,

nem tampouco da sabedoria, da disciplina e do discernimento.

24O pai do justo exultará de júbilo;

quem tem filho sábio nele se alegra.

25Bom será que se alegrem seu pai e sua mãe

e que exulte a mulher que o deu à luz!

26Meu filho, dê-me o seu coração;

mantenha os seus olhos em meus caminhos,

27pois a prostituta é uma cova profunda,

e a mulher pervertida23.27 Ou adúltera é um poço estreito.

28Como o assaltante, ela fica de tocaia

e multiplica entre os homens os infiéis.

29De quem são os ais?

De quem as tristezas?

E as brigas, de quem são?

E os ferimentos desnecessários?

De quem são os olhos vermelhos23.29 Ou embaçados?

30Dos que se demoram bebendo vinho,

dos que andam à procura de bebida misturada.

31Não se deixe atrair pelo vinho quando está vermelho,

quando cintila no copo e escorre suavemente!

32No fim, ele morde como serpente

e envenena como víbora.

33Seus olhos verão coisas estranhas,

e sua mente imaginará coisas distorcidas.

34Você será como quem dorme no meio do mar,

como quem se deita no alto das cordas do mastro.

35E dirá: “Espancaram-me,

mas eu nada senti!

Bateram em mim, mas nem percebi!

Quando acordarei para que possa beber mais uma vez?”