Cantares de Salomâo 5

O Amado

Entrei em meu jardim,
    minha irmã, minha noiva;
ajuntei a minha mirra com
    as minhas especiarias.
Comi o meu favo e o meu mel;
bebi o meu vinho e o meu leite.

Poeta

Comam, amigos,
bebam quanto puderem, ó amados!

A Amada

Eu estava quase dormindo,
    mas o meu coração estava acordado.
Escutem! O meu amado está batendo.

O Amado

Abra-me a porta, minha irmã,
    minha querida, minha pomba,
    minha mulher ideal,
pois a minha cabeça
    está encharcada de orvalho,
o meu cabelo, da umidade da noite.

A Amada

Já tirei a túnica;
    terei que vestir-me de novo?
Já lavei os pés;
    terei que sujá-los de novo?
O meu amado pôs a mão
    por uma abertura da tranca;
meu coração começou
    a palpitar por causa dele.
Levantei-me para abrir-lhe a porta;
minhas mãos destilavam mirra,
meus dedos vertiam mirra,
    na maçaneta da tranca.
Eu abri, mas o meu amado se fora;
    o meu amado já havia partido.

Quase desmaiei de tristeza!
Procurei-o, mas não o encontrei.
Eu o chamei, mas ele não respondeu.
As sentinelas me encontraram
    enquanto faziam a ronda na cidade.
Bateram-me, feriram-me;
e tomaram o meu manto,
    as sentinelas dos muros!
Ó mulheres de Jerusalém,
    eu as faço jurar:
se encontrarem o meu amado,
    que dirão a ele?
Digam-lhe que estou doente de amor.

Amigas (As Mulheres de Jerusalém)

Que diferença há entre o seu amado
    e outro qualquer,
ó você, das mulheres a mais linda?
Que diferença há entre o seu amado
    e outro qualquer,
para você nos obrigar a tal promessa?

A Amada

O meu amado tem a pele bronzeada;
ele se destaca entre dez mil.
Sua cabeça é como ouro, o ouro mais puro;
seus cabelos ondulam ao vento
    como ramos de palmeira;
são negros como o corvo.
Seus olhos são como pombas
    junto aos regatos de água,
lavados em leite,
    incrustados como jóias.
Suas faces são como
    um jardim de especiarias
    que exalam perfume.
Seus lábios são como lírios
    que destilam mirra.
Seus braços são cilindros de ouro
    com berilo neles engastado.
Seu tronco é como marfim polido
    adornado de safiras.
Suas pernas são colunas de mármore
    firmadas em bases de ouro puro.
Sua aparência é como o Líbano;
    ele é elegante como os cedros.
Sua boca é a própria doçura;
    ele é mui desejável.
Esse é o meu amado,
    esse é o meu querido,
ó mulheres de Jerusalém.

Read More of Cantares de Salomâo 5

Cantares de Salomâo 6

Amigas (Mulheres de Jerusalém)

Para onde foi o seu amado,
    ó mais linda das mulheres?
Diga-nos para onde foi o seu amado
    e o procuraremos com você!

A Amada

O meu amado desceu ao seu jardim,
    aos canteiros de especiarias,
para descansar
    e colher lírios.
Eu sou do meu amado,
    e o meu amado é meu;
ele descansa entre os lírios.

O Amado

Minha querida, você é linda como Tirza,
    bela como Jerusalém,
admirável como um exército
    e suas bandeiras.

Desvie de mim os seus olhos,
    pois eles me perturbam.
Seu cabelo é como
    um rebanho de cabras
    que descem de Gileade.
Seus dentes são como
    um rebanho de ovelhas
    que sobem do lavadouro.
Cada uma tem o seu par,
não há nenhuma sem crias.
Suas faces, por trás do véu,
são como as metades de uma romã.
Pode haver sessenta rainhas,
    e oitenta concubinas,
    e um número sem fim de virgens,
mas ela é única, a minha pomba,
    minha mulher ideal!
Ela é a filha favorita de sua mãe,
a predileta daquela que a deu à luz.
Quando outras jovens a vêem,
    dizem que ela é muito feliz;
as rainhas e as concubinas a elogiam.

Amigas (Mulheres de Jerusalém)

Quem é essa que aparece
    como o alvorecer,
bela como a lua, brilhante como o sol,
admirável como um exército
    e suas bandeiras?

A Amada

Desci ao bosque das nogueiras
    para ver os renovos no vale,
para ver se as videiras tinham brotado
    e se as romãs estavam em flor.
Antes que eu o percebesse,
você me colocou entre as carruagens,
com um príncipe ao meu lado.

Amigas (Mulheres de Jerusalém)

Volte, volte, Sulamita;
    volte, volte, para que a contemplemos.

O Amado

Por que vocês querem
    contemplar a Sulamita,
    como na dança de Maanaim?

Read More of Cantares de Salomâo 6

Cantares de Salomâo 7

Como são lindos
    os seus pés calçados com sandálias,
    ó filha do príncipe!
As curvas das suas coxas são como jóias,
obra das mãos de um artífice.
Seu umbigo é uma taça redonda
    onde nunca falta o vinho
    de boa mistura.
Sua cintura é um monte de trigo
    cercado de lírios.
Seus seios são como
    dois filhotes de corça,
gêmeos de uma gazela.
Seu pescoço é como
    uma torre de marfim.
Seus olhos são como
    os açudes de Hesbom,
junto à porta de Bate-Rabim.
Seu nariz é como a torre do Líbano
    voltada para Damasco.
Sua cabeça eleva-se
    como o monte Carmelo.
Seus cabelos soltos
    têm reflexos de púrpura;
o rei caiu prisioneiro das suas ondas.
Como você é linda!
    Como você me agrada!
Oh, o amor e suas delícias!
Seu porte é como o da palmeira,
    e os seus seios como cachos de frutos.
Eu disse: Subirei a palmeira
    e me apossarei dos seus frutos.
Sejam os seus seios
    como os cachos da videira,
o aroma da sua respiração como maçãs,
e a sua boca como o melhor vinho ...

A Amada

... vinho que flui suavemente
    para o meu amado,
escorrendo suavemente sobre os lábios
    de quem já vai adormecendo.
Eu pertenço ao meu amado,
    e ele me deseja.
Venha, meu amado,
    vamos fugir para o campo,
passemos a noite nos povoados.
Vamos cedo para as vinhas
    para ver se as videiras brotaram,
se as suas flores se abriram
    e se as romãs estão em flor;
ali eu lhe darei o meu amor.
As mandrágoras exalam o seu perfume,
e à nossa porta há todo tipo de frutos finos,
    secos e frescos,
que reservei para você, meu amado.

Read More of Cantares de Salomâo 7

Cantares de Salomâo 8

Ah, quem dera você fosse meu irmão,
    amamentado nos seios de minha mãe!
Então, se eu o encontrasse fora de casa,
    eu o beijaria,
e ninguém me desprezaria.
Eu o conduziria
    e o traria à casa de minha mãe,
    e você me ensinaria.
Eu lhe daria vinho aromatizado
    para beber,
o néctar das minhas romãs.
O seu braço esquerdo esteja debaixo
    da minha cabeça
e o seu braço direito me abrace.
Mulheres de Jerusalém, eu as faço jurar:
    Não despertem nem incomodem o amor
    enquanto ele não o quiser.

Amigas (Mulheres de Jerusalém)

Quem vem subindo do deserto,
    apoiada em seu amado?

A Amada

Debaixo da macieira eu o despertei;
ali esteve a sua mãe em trabalho de parto,
ali sofreu as dores aquela que o deu à luz.
Coloque-me como um selo sobre
    o seu coração;
como um selo sobre o seu braço;
pois o amor é tão forte quanto a morte,
e o ciúme é tão inflexível
    quanto a sepultura.
Suas brasas são fogo ardente,
    são labaredas do Senhor.
Nem muitas águas conseguem
    apagar o amor;
os rios não conseguem levá-lo
    na correnteza.
Se alguém oferecesse todas as riquezas
    da sua casa para adquirir o amor,
seria totalmente desprezado.

Irmãos

Temos uma irmãzinha;
seus seios ainda não estão crescidos.
Que faremos com nossa irmã
    no dia em que for pedida
    em casamento?
Se ela for um muro,
    construiremos sobre ela
    uma torre de prata.
Se ela for uma porta,
    nós a reforçaremos com tábuas de cedro.

A Amada

Eu sou um muro,
    e meus seios são as suas torres.
Assim me tornei aos olhos dele
    como alguém que inspira paz.
Salomão possuía uma vinha
    em Baal-Hamom;
ele entregou a sua vinha a arrendatários.
Cada um devia trazer pelos
    frutos da vinha
    doze quilos de prata.
Quanto à minha própria vinha,
    essa está em meu poder;
os doze quilos de prata são para você,
    ó Salomão,
e dois quilos e meio são para os
    que tomaram conta dos seus frutos.

O Amado

Você, que habita nos jardins,
    os amigos desejam ouvi-la;
deixe-me ouvir a sua voz!

A Amada

Venha depressa, meu amado,
    e seja como uma gazela,
ou como um cervo novo
    saltando sobre os montes
    cobertos de especiarias.

Read More of Cantares de Salomâo 8