O Livro

Marcos 5

A cura do homem endemoninhado

(Mt 8.28-34; Lc 8.26-37)

1Chegaram ao outro lado do lago, à terra dos Gerasenos. Ao desambarcar, um homem vindo dum cemitério, possuído por um espírito impuro, veio ao seu encontro. Este homem morava entre os túmulos e ninguém conseguia prendê-lo nem sequer com correntes. Pois muitas vezes o tentaram prender com grilhões e correntes, mas ele partia os grilhões dos pulsos e despedaçava as correntes, sem que ninguém conseguisse dominá-lo. Durante o dia e pela noite dentro, errava entre os túmulos e pelos montes desertos, dando gritos e ferindo-se com pedras.

Mal viu Jesus, vinha este ainda longe, correu ao seu encontro. E deitando-se no chão à sua frente, soltou um grito forte: “Que queres tu de mim, Jesus, Filho do Deus altíssimo? Peço-te por Deus que não me atormentes!” Jesus falou ao demónio que existia dentro dele: “Sai deste homem, espírito impuro!”

“Como te chamas?” perguntou Jesus. “Exército, porque somos muitos.” 10 E pedia com insistência a Jesus que não os expulsasse para fora da região. 11 Ora, andava ali perto, no monte acima do lago, uma grande vara de porcos a pastar, 12 e os demónios rogaram-lhe: “Manda-nos para aqueles porcos.” 13 Jesus concordou. Então, os espíritos impuros saíram do homem e entraram nos porcos. A vara de 2000 porcos precipitou-se, caindo por um despenhadeiro no mar, onde se afogou.

14 Os porqueiros fugiram para a cidade e campos, espalhando a notícia, e as pessoas vieram ver o que tinha sucedido. 15 As pessoas dirigiram-se ao encontro de Jesus e viram o endemoninhado ali sentado, agora vestido e em seu perfeito juízo, e ficaram com medo. 16 Aqueles que tinham assistido ao que tinha acontecido ao endemoninhado contavam aos outros. 17 E a multidão chegou até a pedir a Jesus que fosse embora da região.

18 Assim, voltou para o barco e o homem que tinha andado possuído dos demónios pediu a Jesus que o deixasse acompanhá-los. 19 Mas Jesus não quis: “Volta para a tua família e conta-lhe as maravilhas que o Senhor te fez e como foi tão bondoso contigo.” 20 O homem partiu, para percorrer as Dez Cidades, e contava a toda a gente as grandes coisas que Jesus lhe tinha feito, e todos ficavam pasmados a ouvi-lo.

Uma menina morta e uma mulher doente

(Mt 9.18-26; Lc 8.41-56)

21 Quando Jesus atravessou de barco para a outra margem do lago, uma enorme multidão juntou-se à sua volta na praia. 22 O líder da sinagoga daquele lugar, cujo nome era Jairo, veio e prostrou-se a seus pés, 23 suplicando-lhe com insistência: “A minha filha está às portas da morte. Vem colocar as mãos sobre ela para ser curada, e ela ficará viva!” 24 Jesus foi com ele. Uma grande multidão o acompanhava e comprimia.

25 Entre todo aquele povo encontrava-se uma mulher que sofria, havia doze anos, de uma perda de sangue. 26 Durante esse tempo padecera bastante às mãos de muitos médicos, e tinha gasto tanto com eles que ficara pobre, sem ver quaisquer melhoras; antes piorara. 27 Ouvira falar tanto nos espantosos milagres de Jesus que; aproximou-se no meio da multidão por trás e tocou-lhe no manto, 28 pois dizia: “Se ao menos eu lhe tocar no manto, ficarei curada.” 29 De facto, logo que lhe tocou, o sangue parou de correr e percebeu que estava curada.

30 Jesus de imediato sentiu que saíra de si poder e, olhando para trás, perguntou: “Quem foi que me tocou na roupa?”

31 Os discípulos disseram-lhe: “Com toda esta gente à tua volta, ainda perguntas quem te tocou?”

32 Ele continuou a olhar à sua volta para encontrar quem fizera aquilo. 33 Então a mulher, amedrontada e a tremer, sabedora do que lhe tinha acontecido, chegou-se, pôs-se de joelhos diante dele e declarou o que tinha feito. 34 Jesus disse-lhe: “Filha, a tua fé te curou! Vai em paz, estás livre do teu mal!”

35 Jesus falava ainda com ela, quando chegaram uns mensageiros da casa de Jairo, líder da sinagoga, com a notícia: “A tua filha já morreu. Porque estás ainda a incomodar o Mestre?”

36 Jesus, contudo, não fez caso do que diziam e disse para o líder da sinagoga: “Não tenhas medo, crê somente!” 37 Jesus não deixou ninguém acompanhá-lo a não ser Pedro, Tiago e João. 38 Quando chegaram, havia uma grande confusão, ouvindo-se choro e lamentações. 39 E dirigiu-se aos que ali estavam: “Para que é todo este choro e alvoroço? A menina não está morta, apenas dorme!”

40 E riram-se de troça. Mas Jesus mandou todos saírem e, acompanhado do pai e da mãe da criança e dos três discípulos, entrou no quarto onde estava deitada. 41 E segurando-lhe na mão, disse: “Talita kum!” (Que quer dizer: “Menina, levanta-te!”) 42 E a menina, que tinha doze anos de idade, pôs-se imediatamente de pé e começou a andar. Os pais ficaram pasmados. 43 Jesus recomendou-lhes muito que não contassem aquilo a ninguém e mandou que dessem de comer à filha.

Nkwa Asem

Marko 5

Yesu sa ɔbarima bi a ɔwɔ hohommɔne yare

1Yesu ne n’asuafo beduu po no fa baabi wɔ Gerasefo asase so. Ɔresi afi ɔkorow no mu no, ɔbarima bi a honhommɔne wɔ ne mu di mmirika fi amusiei behyiaa no.

Na saa ɔbarima yi te amusiei hɔ. Ɔyɛ obi a na ne ho yɛ den yiye nti, sɛ wɔde nkɔnsɔnkɔnsɔn mpo gu ne nsa a, otumi bubu mu a obiara ntumi nkɔ n’anim. Awia ne anadwo nyinaa na ɔnenam amusiei hɔ mmepɔw no mu a, ɔde abo a ano yɛ nam twitwa ne ho.

Ɔbarima yi huu Yesu wɔ akyirikyiri no, otuu mmirika bebuu no nkotodwe.

Ɔteɛteɛɛm se, “Yesu, Ɔsorosoro Nyankopɔn no Ba, dɛn na wowɔ ne me yɛ? Mesrɛ wo, nyɛ me ayayade biara!” Yesu teɛɛ honhommɔne a ɛwɔ ɔbarima no mu no se, “Honhommɔne, fi ne mu fi!”

Yesu bisaa no se, “Wɔfrɛ wo dɛn?” Obuaa Yesu se, “Me din de ‘Dɔm’, efisɛ, yɛdɔɔso.”

10 Afei, ɔsrɛɛ Yesu anibere so sɛ ɔmmpam wɔn nnkɔ akyirikyiri.

11 Saa bere no, na mprakokuw bi redidi wɔ bepɔw no nkyɛn baabi a ɛbɛn po no. 12 Enti, ahonhommɔne no srɛɛ Yesu sɛ, “Tu yɛn na yɛnkɔhyɛ mprako no mu.”

13 Yesu maa wɔn ho kwan ma wɔkɔhyɛɛ mprako no mu. Mprako no de ahoɔhare sianee bepɔw no koguu po no mu ma ɛfaa wɔn.

14 Mprakohwɛfo no guan baa nkurow a ɛbemmɛn hɔ no mu bɛkaa nea wɔahu no kyerɛɛ wɔn. Wɔn a wɔtee no kɔhwɛɛ nea asi no. 15 Nnipakuw no duu faako a Yesu wɔ no, wohuu ɔbarima a na hohommɔne ahyɛ no ma no sɛ ɔte hɔ dinn a n’adwenem atew no. Eyi maa wɔn ho dwiriw wɔn. 16 Wɔn a wohuu nea asi no ka kyerɛɛ afoforo, 17 maa nnipakuw no srɛɛ Yesu sɛ, omfi wɔn nkyɛn nkɔ, na wɔn ho ntɔ wɔn! 18 Enti ɔsan foro kɔtenaa ɔkorow no mu. Ɔbarima a na honhommɔne wɔ ne mu no srɛɛ Yesu sɛ ɔpɛ sɛ ɔne no kɔ. 19 Nanso, Yesu kae se, “Dabi, kɔ na kɔka anwonwade a Onyankopɔn ayɛ ama wo yi ne n’ahummɔbɔ ho asɛm kyerɛ wo nnamfo.”

20 Enti, ɔbarima no fii hɔ kɔɔ Dekapoli, ‘Nkurow Du’, no a ɛwɔ saa ɔmantam no mu no mu, kɔkaa anwonwade a Yesu ayɛ ama no no kyerɛɛ obiara. Wɔtee asɛm no no, wɔn ho dwiriw wɔn.

21 Yesu de ɔkorow no twa baa po no fa baabi no, nnipakuw betwaa ne ho hyiae wɔ mpoano hɔ.

Ɔbea bi ayaresa

22 Asafopanyin bi a na ɔwɔ hɔ a wɔfrɛ no Yairo no, buu Yesu nkotodwe, 23 srɛɛ no sɛ, ɔnsa ne babea yare mma no. Ofi ahoyeraw mu ka kyerɛɛ Yesu se, “Abofra no rewu, enti mesrɛ wo sɛ, fa wo nsa bɛka no na onya nkwa.”

24 Yesu ne no kɔe a nnipakuw no di wɔn akyi. 25 Na ɔbea bi a watu mogya mfe dumien ka nnipakuw no ho. 26 Ɔde ne yare no akyin ayaresafo bebree so atua sika bebree ama wayɛ ohiani, nanso na ne ho ntɔ no ara. 27 Na wate anwonwade a Yesu ayɛ no nyinaa, na ɛno nti na ɔde ne ho fraa nnipakuw no, de ne nsa besoo Yesu atade mu no.

28 Odwenee ho kae se, “Sɛ mitumi nya ne ho kwan, de me nsa so n’atade mu kɛkɛ a, me ho bɛtɔ me.” 29 Ampa ara, oso a osoo n’atade no mu pɛ, na mogya no twae maa ne ho tɔɔ no!

30 Amonom hɔ ara, Yesu tee nka sɛ ayaresa tumi afi ne mu. Ɔdanee ne ho kyerɛɛ nnipakuw no bisae se, “Hena na osoo m’atade mu no?”

31 N’asuafo no buae se, “Saa nnipakuw a obiara de ne ho twitwiw ne yɔnko yi na worebisa se, hena na ɔde ne nsa aka w’atade?”

32 Nanso, ɔpɛe sɛ ohu onipa ko a osoo n’atade mu no. 33 Bere a ɔbea no huu asɛm a asi no, ɔde ahopopo bebuu Yesu nkotodwe kaa nea ɔyɛe no kyerɛɛ no. 34 Yesu ka kyerɛɛ no se, “Ɔbabea, wo gyidi ama wo ho atɔ wo; fa asomdwoe kɔ; wo yare no agyae.”

Yairo babea no nyan

35 Ogu so rekasa akyerɛ ɔbea no no, abɔfo fi Yairo fi bɛbɔɔ amanneɛ se, Yairo babea no awu, enti ɛho nhia sɛ Yesu bɛba bio. 36 Yesu antie nea wɔreka no koraa, na ɔka kyerɛɛ Yairo se, “Nsuro. Gye me di.”

37 Afei, Yesu ka kyerɛɛ nnipakuw no se, obiara nnni m’akyi nnkɔ Yairo fi hɔ gye Petro, Yakobo ne Yohane. 38 Bere a Yesu duu hɔ no, ohui sɛ ɛhɔ nyinaa ayɛ manyamanya a nnipa retwa agyaadwo. 39 Ɔkɔɔ ofi no mu ne wɔn a wɔwɔ hɔ no kɔkasae. Obisaa wɔn se, “Adɛn ne agyaadwotwa ne basabasayɛ yi? Abofra no nwui; nna na wada!”

40 Wɔn a wɔwɔ hɔ no tee asɛm a Yesu kae no, wɔserew no. Yesu ka kyerɛɛ wɔn a wɔwɔ fie hɔ no se, wɔn nyinaa mfi adi. Ɔne abofra no agya ne ne na ne n’asuafo baasa no kɔɔ nea abofra no da hɔ.

41 Osoo abea no nsa na ɔka kyerɛɛ no se, “Talita kuum” a ase ne sɛ, “Abeawa, mise wo sɛ sɔre!” 42 Amonom hɔ ara abeawa no sɔree na ofii ase nantewee. 43 Na wadi mfirihyia dumien. Nea esii yi maa wɔn ho dwiriw wɔn papa.