New Living Translation

Genesis 42

Joseph’s Brothers Go to Egypt

1When Jacob heard that grain was available in Egypt, he said to his sons, “Why are you standing around looking at one another? I have heard there is grain in Egypt. Go down there, and buy enough grain to keep us alive. Otherwise we’ll die.”

So Joseph’s ten older brothers went down to Egypt to buy grain. But Jacob wouldn’t let Joseph’s younger brother, Benjamin, go with them, for fear some harm might come to him. So Jacob’s[a] sons arrived in Egypt along with others to buy food, for the famine was in Canaan as well.

Since Joseph was governor of all Egypt and in charge of selling grain to all the people, it was to him that his brothers came. When they arrived, they bowed before him with their faces to the ground. Joseph recognized his brothers instantly, but he pretended to be a stranger and spoke harshly to them. “Where are you from?” he demanded.

“From the land of Canaan,” they replied. “We have come to buy food.”

Although Joseph recognized his brothers, they didn’t recognize him. And he remembered the dreams he’d had about them many years before. He said to them, “You are spies! You have come to see how vulnerable our land has become.”

10 “No, my lord!” they exclaimed. “Your servants have simply come to buy food. 11 We are all brothers—members of the same family. We are honest men, sir! We are not spies!”

12 “Yes, you are!” Joseph insisted. “You have come to see how vulnerable our land has become.”

13 “Sir,” they said, “there are actually twelve of us. We, your servants, are all brothers, sons of a man living in the land of Canaan. Our youngest brother is back there with our father right now, and one of our brothers is no longer with us.”

14 But Joseph insisted, “As I said, you are spies! 15 This is how I will test your story. I swear by the life of Pharaoh that you will never leave Egypt unless your youngest brother comes here! 16 One of you must go and get your brother. I’ll keep the rest of you here in prison. Then we’ll find out whether or not your story is true. By the life of Pharaoh, if it turns out that you don’t have a younger brother, then I’ll know you are spies.”

17 So Joseph put them all in prison for three days. 18 On the third day Joseph said to them, “I am a God-fearing man. If you do as I say, you will live. 19 If you really are honest men, choose one of your brothers to remain in prison. The rest of you may go home with grain for your starving families. 20 But you must bring your youngest brother back to me. This will prove that you are telling the truth, and you will not die.” To this they agreed.

21 Speaking among themselves, they said, “Clearly we are being punished because of what we did to Joseph long ago. We saw his anguish when he pleaded for his life, but we wouldn’t listen. That’s why we’re in this trouble.”

22 “Didn’t I tell you not to sin against the boy?” Reuben asked. “But you wouldn’t listen. And now we have to answer for his blood!”

23 Of course, they didn’t know that Joseph understood them, for he had been speaking to them through an interpreter. 24 Now he turned away from them and began to weep. When he regained his composure, he spoke to them again. Then he chose Simeon from among them and had him tied up right before their eyes.

25 Joseph then ordered his servants to fill the men’s sacks with grain, but he also gave secret instructions to return each brother’s payment at the top of his sack. He also gave them supplies for their journey home. 26 So the brothers loaded their donkeys with the grain and headed for home.

27 But when they stopped for the night and one of them opened his sack to get grain for his donkey, he found his money in the top of his sack. 28 “Look!” he exclaimed to his brothers. “My money has been returned; it’s here in my sack!” Then their hearts sank. Trembling, they said to each other, “What has God done to us?”

29 When the brothers came to their father, Jacob, in the land of Canaan, they told him everything that had happened to them. 30 “The man who is governor of the land spoke very harshly to us,” they told him. “He accused us of being spies scouting the land. 31 But we said, ‘We are honest men, not spies. 32 We are twelve brothers, sons of one father. One brother is no longer with us, and the youngest is at home with our father in the land of Canaan.’

33 “Then the man who is governor of the land told us, ‘This is how I will find out if you are honest men. Leave one of your brothers here with me, and take grain for your starving families and go on home. 34 But you must bring your youngest brother back to me. Then I will know you are honest men and not spies. Then I will give you back your brother, and you may trade freely in the land.’”

35 As they emptied out their sacks, there in each man’s sack was the bag of money he had paid for the grain! The brothers and their father were terrified when they saw the bags of money. 36 Jacob exclaimed, “You are robbing me of my children! Joseph is gone! Simeon is gone! And now you want to take Benjamin, too. Everything is going against me!”

37 Then Reuben said to his father, “You may kill my two sons if I don’t bring Benjamin back to you. I’ll be responsible for him, and I promise to bring him back.”

38 But Jacob replied, “My son will not go down with you. His brother Joseph is dead, and he is all I have left. If anything should happen to him on your journey, you would send this grieving, white-haired man to his grave.[b]

Notas al pie

  1. 42:5 Hebrew Israel’s. See note on 35:21.
  2. 42:38 Hebrew to Sheol.

O Livro

Gênesis 42

Os irmãos de José vão ao Egito

1Ao ouvir que havia alimento no Egito, Jacob disse aos filhos: “Para que é que estão aí todos a olhar uns para os outros? Eu ouvi que havia alimentos disponíveis no Egito. Vão já e comprem o que puderem, para não morrermos de fome!”

Assim, desceram os dez irmãos mais velhos de José ao Egito para comprar comida. Jacob não quis que o mais novo, Benjamim, fosse com eles com medo que lhe viesse a acontecer algum acidente. Chegaram os filhos de Israel ao Egito, com muita outra gente das terras vizinhas, na intenção de comprar trigo, porque a fome apertava tanto em Canaã como nos outros sítios.

Visto que José era o governador geral de todo o Egito e o responsável pela venda das provisões, foi a ele que os seus irmãos se chegaram, inclinando-se profundamente, com o rosto em terra. José reconheceu-os logo, mas não se manifestou. Falou-lhes asperamente e interpelou-os: “Donde é que vêm?” Eles responderam: “De Canaã. Viemos em busca de trigo.”

José reconheceu os seus irmãos, mas eles não o reconheceram. E José lembrou-se dos sonhos que tinha tido havia tanto tempo. E continuou: “Vocês são mas é espias! Vieram cá para ver como é que a terra ficou enfraquecida.”

10 “Não, não senhor!”, exclamaram. “Viemos unicamente à procura de alimentos. 11 Somos todos irmãos e gente honesta. Não somos espias, de maneira nenhuma!”

12 “Isso é que são!”, retorquiu-lhes, insistindo. “Vieram para espiar a nossa fraqueza.”

13 “Senhor governador, garantimos-lhe que somos apenas uma família de doze irmãos; o nosso pai está lá em Canaã; o nosso irmão mais novo ficou com ele, e um de nós já morreu.”

14 “Como é que isso me garante que não são espias? 15 Vamos verificar se tudo isso que me dizem é verdade. Garanto-vos, pela vida do próprio Faraó, que não deixarão o Egito enquanto o vosso irmão mais novo não vier aqui. 16 Que um de vocês vá lá e o traga. Os outros ficarão aqui presos. Assim, haveremos de verificar a verdade de tudo isso. Se chegarmos à conclusão que não têm nenhum irmão mais novo é porque são realmente espias.”

17 E pô-los sob a vigilância de um guarda, todos juntos, durante três dias. 18 Ao terceiro dia disse-lhes: “Eu sou uma pessoa que teme a Deus; por isso, vou dar-vos uma oportunidade de se defenderem desta acusação. 19 Terão assim ocasião de mostrar se são gente honrada. Ficará apenas um em detenção e os outros poderão ir levar o trigo às famílias; 20 mas na condição de me trazerem o vosso irmão mais novo. Dessa forma, saberei se me dizem a verdade. Se assim for, poupar-vos-ei.” Eles concordaram.

21 E falando uns com os outros diziam: “Isto tudo aconteceu-nos por causa do que fizemos a José. Víamos bem o terror e angústia em que ele estava, como nos pedia aflitivamente que não lhe fizéssemos mal, e não nos importámos com isso!”

22 “Eu não vos dizia?”, intervinha Rúben. “Insisti para que não lhe fizessem nada e não me ligaram. Agora vamos ter de dar contas pela sua vida!” 23 Evidentemente que não pensavam sequer que José, que continuava ali perto deles, os entendia. Aliás, para comunicarem com ele, utilizavam um intérprete.

24 José, contudo, teve de retirar-se, porque precisava de chorar sem que o vissem. Depois voltou outra vez e ele próprio escolheu Simeão e aprisionou-o na frente dos irmãos.

25 Em seguida, deu ordens aos criados para lhes encherem os sacos de trigo, mas que pusessem também o dinheiro do pagamento dentro de cada saco, logo ao de cima; e além disso que lhes fossem fornecidas provisões para a viagem. 26 Carregaram então os animais e partiram para casa com os sacos de trigo.

27 Quando pararam de noite, um deles abriu o saco para tirar uma porção de grão para dar aos jumentos, e viu o dinheiro logo à entrada do saco! 28 “Olhem!”, disse para os outros. “Devolveram-me o dinheiro. Está aqui!” E ficaram cheios de medo, e foi a tremer que disseram uns para os outros: “Mas que é isto que Deus nos tem estado a fazer?”

29 Quando chegaram à casa do seu pai, na terra de Canaã, contaram-lhe tudo. 30 “O governador, ministro do rei, falou-nos muito asperamente e tomou-nos por espias. 31 Nós bem lhe dissemos que não, que não éramos espias, que éramos gente de bem. 32 Que éramos doze irmãos, filhos do mesmo pai, que um deles tinha morrido, e que o mais novo tinha ficado em casa com o pai em Canaã. 33 Então o homem disse-nos que havia uma maneira de saber se o que lhe contávamos era verdade: que deixássemos lá um dos nossos irmãos enquanto trazíamos para casa o alimento; 34 que devíamos levar-lhe lá depois o irmão mais novo. Que assim é que havia de ver se éramos espiões ou gente honesta; se provássemos que falávamos verdade, então nos devolveria o irmão que ficou lá retido e poderíamos voltar quantas vezes quiséssemos para comprar o que fosse preciso.”

35 Ao esvaziarem cada um o seu saco, depararam então com o respetivo dinheiro de paga, dentro das bolsinhas, logo ao de cima. E ficaram cheios de medo, eles e o pai.

36 Jacob exclamou: “Vocês querem-me desfilhar! José já não existe. Simeão, já não o vejo. Querem-me levar agora Benjamim. É de mais! Tudo contra mim!”

37 E Rúben respondeu ao pai: “Fica com os meus dois filhos e tira-lhes a vida, se eu não te trouxer Benjamim de volta. Fico responsável por ele.”

38 Mas Jacob replicou: “Não. O meu filho não irá convosco, porque José já morreu e dos filhos da sua mãe só ele ficou. Se lhe acontecesse alguma coisa a minha velha vida não resistiria, e desceria até ao mundo dos mortos, com tanta tristeza.”