New International Version - UK

Psalm 56

Psalm 56[a]

For the director of music. To the tune of ‘A Dove on Distant Oaks’. Of David. A miktam.[b] When the Philistines had seized him in Gath.

Be merciful to me, my God,
    for my enemies are in hot pursuit;
    all day long they press their attack.
My adversaries pursue me all day long;
    in their pride many are attacking me.

When I am afraid, I put my trust in you.
    In God, whose word I praise –
in God I trust and am not afraid.
    What can mere mortals do to me?

All day long they twist my words;
    all their schemes are for my ruin.
They conspire, they lurk,
    they watch my steps,
    hoping to take my life.
Because of their wickedness do not[c] let them escape;
    in your anger, God, bring the nations down.

Record my misery;
    list my tears on your scroll[d] –
    are they not in your record?
Then my enemies will turn back
    when I call for help.
    By this I will know that God is for me.

10 In God, whose word I praise,
    in the Lord, whose word I praise –
11 in God I trust and am not afraid.
    What can man do to me?

12 I am under vows to you, my God;
    I will present my thank-offerings to you.
13 For you have delivered me from death
    and my feet from stumbling,
that I may walk before God
    in the light of life.

Notas al pie

  1. Psalm 56:1 In Hebrew texts 56:1-13 is numbered 56:2-14.
  2. Psalm 56:1 Title: Probably a literary or musical term
  3. Psalm 56:7 Probable reading of the original Hebrew text; Masoretic Text does not have do not.
  4. Psalm 56:8 Or misery; / put my tears in your wineskin

Nova Versão Internacional

Salmos 56

Salmo 56

Para o mestre de música. De acordo com a melodia Uma Pomba em Carvalhos Distantes. Poema epigráfico davídico. Quando os filisteus prenderam Davi em Gate.

Tem misericórdia de mim, ó Deus,
    pois os homens me pressionam;
o tempo todo me atacam e me oprimem.
Os meus inimigos pressionam-me sem parar;
muitos atacam-me arrogantemente.

Mas eu, quando estiver com medo,
    confiarei em ti.
Em Deus, cuja palavra eu louvo,
    em Deus eu confio, e não temerei.
Que poderá fazer-me o simples mortal?

O tempo todo
    eles distorcem as minhas palavras;
estão sempre tramando prejudicar-me.
Conspiram, ficam à espreita,
vigiam os meus passos,
    na esperança de tirar-me a vida.
Deixarás escapar essa gente tão perversa?[a]
Na tua ira, ó Deus, derruba as nações.
Registra, tu mesmo, o meu lamento;
recolhe as minhas lágrimas em teu odre;
acaso não estão anotadas em teu livro?

Os meus inimigos retrocederão,
    quando eu clamar por socorro.
Com isso saberei que Deus está a meu favor.
10 Confio em Deus, cuja palavra louvo,
no Senhor, cuja palavra louvo,
11 em Deus eu confio, e não temerei.
Que poderá fazer-me o homem?

12 Cumprirei os votos que te fiz, ó Deus;
a ti apresentarei minhas ofertas de gratidão.
13 Pois me livraste da morte
    e os meus pés de tropeçarem,
para que eu ande diante de Deus
    na luz que ilumina os vivos.

Notas al pie

  1. 56.7 Ou Rejeita-os por causa de sua maldade;