New International Version

Psalm 74

Psalm 74

A maskil[a] of Asaph.

O God, why have you rejected us forever?
    Why does your anger smolder against the sheep of your pasture?
Remember the nation you purchased long ago,
    the people of your inheritance, whom you redeemed—
    Mount Zion, where you dwelt.
Turn your steps toward these everlasting ruins,
    all this destruction the enemy has brought on the sanctuary.

Your foes roared in the place where you met with us;
    they set up their standards as signs.
They behaved like men wielding axes
    to cut through a thicket of trees.
They smashed all the carved paneling
    with their axes and hatchets.
They burned your sanctuary to the ground;
    they defiled the dwelling place of your Name.
They said in their hearts, “We will crush them completely!”
    They burned every place where God was worshiped in the land.

We are given no signs from God;
    no prophets are left,
    and none of us knows how long this will be.
10 How long will the enemy mock you, God?
    Will the foe revile your name forever?
11 Why do you hold back your hand, your right hand?
    Take it from the folds of your garment and destroy them!

12 But God is my King from long ago;
    he brings salvation on the earth.

13 It was you who split open the sea by your power;
    you broke the heads of the monster in the waters.
14 It was you who crushed the heads of Leviathan
    and gave it as food to the creatures of the desert.
15 It was you who opened up springs and streams;
    you dried up the ever-flowing rivers.
16 The day is yours, and yours also the night;
    you established the sun and moon.
17 It was you who set all the boundaries of the earth;
    you made both summer and winter.

18 Remember how the enemy has mocked you, Lord,
    how foolish people have reviled your name.
19 Do not hand over the life of your dove to wild beasts;
    do not forget the lives of your afflicted people forever.
20 Have regard for your covenant,
    because haunts of violence fill the dark places of the land.
21 Do not let the oppressed retreat in disgrace;
    may the poor and needy praise your name.
22 Rise up, O God, and defend your cause;
    remember how fools mock you all day long.
23 Do not ignore the clamor of your adversaries,
    the uproar of your enemies, which rises continually.

Notas al pie

  1. Psalm 74:1 Title: Probably a literary or musical term

O Livro

Salmos 74

Cântico de Asafe.

1Ó Deus, porque é que nos rejeitaste?
Terá sido para sempre?
Porque estás tão zangado contra as tuas próprias ovelhas?
Lembra-te deste teu povo
    que adquiriste já em tempos tão antigos,
    desta terra que tomaste para ti,
    e de Jerusalém em que tens habitado.
Levanta-te para reagires contra as constantes destruições
    e contra todo o mal que o inimigo tem feito no teu santuário.
Aí mesmo, nos lugares santos,
    os teus adversários têm levantado gritos de guerra,
    e bandeiras de combate.
São como os lenhadores,
    avançando de machado em punho pela floresta a dentro,
    desbastando è esquerda e à direita.
Partem e destroem tudo,
    até as mais belas obras de talha.
Lançaram fogo ao teu santuário,
    profanaram a morada do teu nome;
    deitaram tudo abaixo.
Disseram nos seus corações:
    “Apaguemos todos os vestígios de Deus,
    de uma vez para sempre.”
Queimaram estes santos lugares
    onde vinhas para estares na terra com o teu povo.

Tudo aquilo que nos marcava como teu povo despareceu.
Desapareceram os homens de Deus, os profetas.
E entre nós ninguém sabe dizer até quando isto durará.
10 Sim, até quando, ó Deus, nos enxovalhará o inimigo?
Até quando deixarás que desonrem o teu nome?
11 Porque retiraste de nós a tua mão, sim, a tua mão direita?
Estende-a e fá-los desaparecerem.

12 Todavia Deus é o meu rei, já desde os tempos antigos,
    e tem-me salvado em muitos lugares da terra.
13 Com o teu poder abriste o mar
    e aniquilaste a força do monstro marinho:
14 fizeste em pedaços a cabeça do leviatã
    e o deste para servir de alimento às feras do deserto.
15 Sob as tuas ordens brotaram fontes
    e nasceram ribeiros para dar água ao teu povo.
Por outro lado secaste rios caudalosos, como o Jordão,
    para que passassem a seco para a outra margem.
16 O dia e a noite te pertencem.
Fizeste a luz das estrelas e do Sol.
17 Na Terra, tudo foi ordenado por ti.
Estabeleceste tanto o Verão como o Inverno.

18 Sendo assim, Senhor, vê como o inimigo te insultou.
Uma gente, louca no seu orgulho, blasfemou do teu nome.
19 Não deixes as aves de rapina arrebatarem o teu povo,
    como uma simples pomba.
Não o deixes assim neste estado de aflição.
20 Lembra-te das tuas promessas!
Pois nesta terra há escuridão e violência!
21 Que aquele que foi oprimido não fique sem desforra.
Que o aflito e o necessitado ainda venham a ter muitas razões
    para louvarem o teu nome.
22 Levanta-te, ó Deus,
defende aquilo que afinal é a tua própria causa.
Lembra-te dos insultos
    que esta gente louca lança todo o dia contra ti.
23 Não te esqueças dos gritos de ódio dos teus inimigos.
A revolta deles vai aumentando cada vez mais contra ti.