Nkwa Asem

Nnwom 74

Ɔmannyina mpaebɔ

1O Onyankopɔn, adɛn nti na woagyaa yɛn mu saa? Wo bo befuw wo nkurɔfo akosi wiase awiei? Kae wo nkurɔfo a wo ara wuyii wɔn mmere pii a atwam de wɔn fi nkoasom mu bɛyɛɛ w’ankasa w’abusua no. Kae Sion bepɔw a da bi hɔ na wote so no.

Nantew fa saa amamfo yi so; yɛn atamfo na wɔasɛe biribiara a ɛwɔ asɔrefi hɔ. W’atamfo teɛm nkonim so wɔ wo fi hɔ. Wɔasisi wɔn mfrankaa a ɛkyerɛ sɛ wɔadi nkonim. Wɔte sɛ nnipa nnuabufo a wɔde wɔn mmonnua bu nnua gu. Wɔde wɔn mmonnua ne wɔn nname sɛee mpongua no nyinaa. Wobubuu wo fi no, na wɔtoo mu gya. Woguu faako a wɔsom wo hɔ no ho fi. Wɔpɛe sɛ anka wɔtɔre yɛn ase; wɔhyew mmeae kronkron a ɛwɔ asase no so nyinaa.

Yɛn agyiraehyɛde kronkron no nyinaa kɔ. Adiyifo nyinaa asa na obiara nnim nna ko a eyi bedi. 10 O Onyankopɔn, w’atamfo bɛserew wo akosi da bɛn? Wɔbɛkasa atia wo din akosi daa daa? 11 Adɛn nti na wompɛ sɛ woboa yɛn? Adɛn na woabobɔw wo nsa agu w’akyi?

12 Nanso woyɛ yɛn hene fi mfitiase, O Onyankopɔn. Woagye yɛn nkwa mpɛn pii. 13 Wonam w’ahoɔden tumi so kyɛɛ po mu abien, na wopɛtɛw nsu mu atweaseɛ ti. 14 Wopɛtɛw bonsu ti na wode ne nam maa sare so mmoa wee. 15 Womaa nsuwa ne nsuti teɛe na womaa nsu akɛse yoyoe. 16 Wobɔɔ awia ne anadwo. Wode owia ne ɔsram sii wɔn tenabea.

17 Wokyerɛɛ nea ɛsɛ sɛ asase ano kɔpem. Wobɔɔ ahohuru ne awɔw. 18 Nanso kae, O Awurade, sɛ w’atamfo serew wo sɛ woyɛ kronn nam so bu wo animtia.

19 Nyaw wo nkurɔfo a wonni boafo no mma wɔn atamfo atirimɔdenfo no. Mma wo werɛ mmfi nnipa a wɔtaa wo no! 20 Kae apam a wo ne yɛn hyehyɛe no. Basabasayɛ wɔ asase no tweaa so sum mu baabiara. 21 Ma wɔn a wɔhyɛ wɔn so no anim ngu ase. Ma ahiafo ne mmɔborɔfo nkamfo wo. 22 Ma wo ho so, Onyankopɔn, na yi wo ho adi! Kae sɛ nnebɔneyɛfo serew wo daa nyinaa. 23 Mma wo werɛ mmfi abufuw nteɛteɛm ne gyegyeegye a w’atamfo yɛ no.

O Livro

Salmos 74

Cântico de Asafe.

1Ó Deus, porque é que nos rejeitaste?
Terá sido para sempre?
Porque estás tão zangado contra as tuas próprias ovelhas?
Lembra-te deste teu povo
    que adquiriste já em tempos tão antigos,
    desta terra que tomaste para ti,
    e de Jerusalém em que tens habitado.
Levanta-te para reagires contra as constantes destruições
    e contra todo o mal que o inimigo tem feito no teu santuário.
Aí mesmo, nos lugares santos,
    os teus adversários têm levantado gritos de guerra,
    e bandeiras de combate.
São como os lenhadores,
    avançando de machado em punho pela floresta a dentro,
    desbastando è esquerda e à direita.
Partem e destroem tudo,
    até as mais belas obras de talha.
Lançaram fogo ao teu santuário,
    profanaram a morada do teu nome;
    deitaram tudo abaixo.
Disseram nos seus corações:
    “Apaguemos todos os vestígios de Deus,
    de uma vez para sempre.”
Queimaram estes santos lugares
    onde vinhas para estares na terra com o teu povo.

Tudo aquilo que nos marcava como teu povo despareceu.
Desapareceram os homens de Deus, os profetas.
E entre nós ninguém sabe dizer até quando isto durará.
10 Sim, até quando, ó Deus, nos enxovalhará o inimigo?
Até quando deixarás que desonrem o teu nome?
11 Porque retiraste de nós a tua mão, sim, a tua mão direita?
Estende-a e fá-los desaparecerem.

12 Todavia Deus é o meu rei, já desde os tempos antigos,
    e tem-me salvado em muitos lugares da terra.
13 Com o teu poder abriste o mar
    e aniquilaste a força do monstro marinho:
14 fizeste em pedaços a cabeça do leviatã
    e o deste para servir de alimento às feras do deserto.
15 Sob as tuas ordens brotaram fontes
    e nasceram ribeiros para dar água ao teu povo.
Por outro lado secaste rios caudalosos, como o Jordão,
    para que passassem a seco para a outra margem.
16 O dia e a noite te pertencem.
Fizeste a luz das estrelas e do Sol.
17 Na Terra, tudo foi ordenado por ti.
Estabeleceste tanto o Verão como o Inverno.

18 Sendo assim, Senhor, vê como o inimigo te insultou.
Uma gente, louca no seu orgulho, blasfemou do teu nome.
19 Não deixes as aves de rapina arrebatarem o teu povo,
    como uma simples pomba.
Não o deixes assim neste estado de aflição.
20 Lembra-te das tuas promessas!
Pois nesta terra há escuridão e violência!
21 Que aquele que foi oprimido não fique sem desforra.
Que o aflito e o necessitado ainda venham a ter muitas razões
    para louvarem o teu nome.
22 Levanta-te, ó Deus,
defende aquilo que afinal é a tua própria causa.
Lembra-te dos insultos
    que esta gente louca lança todo o dia contra ti.
23 Não te esqueças dos gritos de ódio dos teus inimigos.
A revolta deles vai aumentando cada vez mais contra ti.