The Message

Romans 14

Cultivating Good Relationships

1Welcome with open arms fellow believers who don’t see things the way you do. And don’t jump all over them every time they do or say something you don’t agree with—even when it seems that they are strong on opinions but weak in the faith department. Remember, they have their own history to deal with. Treat them gently.

2-4 For instance, a person who has been around for a while might well be convinced that he can eat anything on the table, while another, with a different background, might assume he should only be a vegetarian and eat accordingly. But since both are guests at Christ’s table, wouldn’t it be terribly rude if they fell to criticizing what the other ate or didn’t eat? God, after all, invited them both to the table. Do you have any business crossing people off the guest list or interfering with God’s welcome? If there are corrections to be made or manners to be learned, God can handle that without your help.

Or, say, one person thinks that some days should be set aside as holy and another thinks that each day is pretty much like any other. There are good reasons either way. So, each person is free to follow the convictions of conscience.

6-9 What’s important in all this is that if you keep a holy day, keep it for God’s sake; if you eat meat, eat it to the glory of God and thank God for prime rib; if you’re a vegetarian, eat vegetables to the glory of God and thank God for broccoli. None of us are permitted to insist on our own way in these matters. It’s God we are answerable to—all the way from life to death and everything in between—not each other. That’s why Jesus lived and died and then lived again: so that he could be our Master across the entire range of life and death, and free us from the petty tyrannies of each other.

10-12 So where does that leave you when you criticize a brother? And where does that leave you when you condescend to a sister? I’d say it leaves you looking pretty silly—or worse. Eventually, we’re all going to end up kneeling side by side in the place of judgment, facing God. Your critical and condescending ways aren’t going to improve your position there one bit. Read it for yourself in Scripture:

“As I live and breathe,” God says,
    “every knee will bow before me;
Every tongue will tell the honest truth
    that I and only I am God.”

So tend to your knitting. You’ve got your hands full just taking care of your own life before God.

13-14 Forget about deciding what’s right for each other. Here’s what you need to be concerned about: that you don’t get in the way of someone else, making life more difficult than it already is. I’m convinced—Jesus convinced me!—that everything as it is in itself is holy. We, of course, by the way we treat it or talk about it, can contaminate it.

15-16 If you confuse others by making a big issue over what they eat or don’t eat, you’re no longer a companion with them in love, are you? These, remember, are persons for whom Christ died. Would you risk sending them to hell over an item in their diet? Don’t you dare let a piece of God-blessed food become an occasion of soul-poisoning!

17-18 God’s kingdom isn’t a matter of what you put in your stomach, for goodness’ sake. It’s what God does with your life as he sets it right, puts it together, and completes it with joy. Your task is to single-mindedly serve Christ. Do that and you’ll kill two birds with one stone: pleasing the God above you and proving your worth to the people around you.

19-21 So let’s agree to use all our energy in getting along with each other. Help others with encouraging words; don’t drag them down by finding fault. You’re certainly not going to permit an argument over what is served or not served at supper to wreck God’s work among you, are you? I said it before and I’ll say it again: All food is good, but it can turn bad if you use it badly, if you use it to trip others up and send them sprawling. When you sit down to a meal, your primary concern should not be to feed your own face but to share the life of Jesus. So be sensitive and courteous to the others who are eating. Don’t eat or say or do things that might interfere with the free exchange of love.

22-23 Cultivate your own relationship with God, but don’t impose it on others. You’re fortunate if your behavior and your belief are coherent. But if you’re not sure, if you notice that you are acting in ways inconsistent with what you believe—some days trying to impose your opinions on others, other days just trying to please them—then you know that you’re out of line. If the way you live isn’t consistent with what you believe, then it’s wrong.

O Livro

Romanos 14

Problemas de consciência

1Recebam sempre o melhor possível qualquer irmão, ainda que fraco na sua fé. Não discutam com ele sobre os seus escrúpulos. Uns crêem que se pode comer de tudo; mas outros há que pensarão que isso não está certo e irão ao ponto de comer só vegetais. E aqueles que não acham mal comer de tudo não devem desprezar os que apenas comem certas coisas, tal como também estes últimos não devem julgar os primeiros, porque Deus os aceitou como filhos. Eles são servos de Deus, e não vossos. É a Deus que dão contas, não a vocês. Por isso deixem que seja Deus a dizer­lhes se fazem bem ou mal. E Deus pode certamente levá­los a fazer o que devem.

Há também pessoas que pensam que os cristãos deveriam respeitar dias de festa dos judeus, como ocasiões especiais de adoração a Deus; mas outras pensam que todos os dias são igualmente ocasiões de servir Deus. Cada pessoa deve ter a sua convicção sobre este assunto. Afinal, aqueles que querem assinalar de forma especial determinados dias fazem­no para adorar Deus. Da mesma forma, quem come de tudo, sem escrúpulos de consciência, fá­lo também para o Senhor; a prova é que dá graças a Deus por aquilo que come. A pessoa que recusa certos alimentos, se faz assim é também porque está desejosa de agradar ao Senhor, estando igualmente grata a Deus.

Nós não somos donos de nós mesmos, de forma a vivermos ou morrermos segundo a nossa vontade ou conveniência. Quer vivamos, quer morramos, somos do Senhor, dependemos da sua vontade. Quando morrermos, iremos estar com o Senhor. Por isso, tanto na vida como na morte, pertencemos ao Senhor. Foi para isto mesmo aliás que Cristo morreu e ressuscitou, para ser Senhor das nossas vidas, quer vivamos, quer morramos.

10 Vocês não têm o direito de julgar os vossos irmãos, ou de os criticar com superioridade. Lembrem­se de que cada um de nós terá de prestar contas perante o tribunal de Deus. 11 Porque está escrito:

    “Tão certo como eu vivo, diz o Senhor,
    todo o joelho se dobrará perante mim
    e toda a língua confessará que sou Deus”.

12 Sim, cada um dará contas de si mesmo a Deus. 13 Por isso não se critiquem mais uns aos outros. Em vez disso, procurem viver de tal modo que nada do que fazem possa levar o vosso irmão a pecar, ou a ficar perturbado na sua consciência.

14 Quanto a mim pessoalmente, estou certo, porque assim mo ensinou o Senhor Jesus, de que não há nada de mal em comer comida considerada imunda pela lei. Contudo, se alguém pensa o contrário deverá fazer segundo a sua consciência, porque para ele é mal. 15 E se o teu irmão pode perturbar­se na sua consciência por aquilo que tu comes, não estarás a dar provas do amor de Deus em ti, se continuares a comer disso. Não faças com que aquilo que comes leve a perder aquele por quem Cristo morreu. 16 Não faças nada que te leve a ser criticado ainda que por coisas que sabes que estão certas.

17 Porque o reino de Deus não é uma questão do que comemos ou bebemos, mas de vivermos uma vida de bondade e paz e alegria no Espírito Santo. 18 Porque quem serve Cristo desta maneira dará alegria a Deus e será estimado pelos homens. 19 Tenham sempre como objectivo a paz uns com os outros, assim como o progresso da vida espiritual de cada um. 20 Não desfaçam a obra de Deus na vida de um irmão vosso por uma questão de comida. Lembrem­se que não há nenhum mal naquilo que se come; o mal é quando aquilo que se come pode afectar a vida espiritual de alguém. 21 Então o melhor a fazer será deixar de comer carne, ou de beber bebidas alcoólicas ou de fazer seja o que for que possa vir a afectar o vosso irmão e até levá­lo a pecar.

22 Estás convencido de que perante Deus não há mal naquilo que fazes? Pois reserva essa tua convicção entre ti e Deus. Feliz é o homem, na verdade, que não se sente condenado quando faz o que sabe estar certo. 23 Mas se alguém tem dúvidas sobre se deve ou não comer alguma coisa, não deve comer. Seria condenado por não agir com fé perante Deus. Se fizer alguma coisa que julga não estar certa, está a pecar.