The Message

Psalm 59

A David Psalm, When Saul Set a Watch on David’s House in Order to Kill Him

11-2 My God! Rescue me from my enemies,
    defend me from these mutineers.
Rescue me from their dirty tricks,
    save me from their hit men.

3-4 Desperadoes have ganged up on me,
    they’re hiding in ambush for me.
I did nothing to deserve this, God,
    crossed no one, wronged no one.
All the same, they’re after me,
    determined to get me.

4-5 Wake up and see for yourself! You’re God,
    God-of-Angel-Armies, Israel’s God!
Get on the job and take care of these pagans,
    don’t be soft on these hard cases.

6-7 They return when the sun goes down,
    They howl like coyotes, ringing the city.
    Then suddenly they’re all at the gate,
    Snarling invective, drawn daggers in their teeth.
    They think they’ll never get caught.

8-10 But you, God, break out laughing;
    you treat the godless nations like jokes.
Strong God, I’m watching you do it,
    I can always count on you.
God in dependable love shows up on time,
    shows me my enemies in ruin.

11-13 Don’t make quick work of them, God,
    lest my people forget.
Bring them down in slow motion,
    take them apart piece by piece.
Let all their mean-mouthed arrogance
    catch up with them,
Catch them out and bring them down
    —every muttered curse
    —every barefaced lie.
Finish them off in fine style!
    Finish them off for good!
Then all the world will see
    that God rules well in Jacob,
    everywhere that God’s in charge.

14-15 They return when the sun goes down,
    They howl like coyotes, ringing the city.
    They scavenge for bones,
    And bite the hand that feeds them.

16-17 And me? I’m singing your prowess,
    shouting at cockcrow your largesse,
For you’ve been a safe place for me,
    a good place to hide.
Strong God, I’m watching you do it,
    I can always count on you—
    God, my dependable love.

Nova Versão Internacional

Salmos 59

Salmo 59

Para o mestre de música. De acordo com a melodia Não Destruas. Poema epigráfico davídico, quando Saul enviou homens para vigiarem a casa de Davi a fim de matá-lo.

Livra-me dos meus inimigos, ó Deus;
põe-me fora do alcance dos meus agressores.
Livra-me dos que praticam o mal
e salva-me dos assassinos.

Vê como ficam à minha espreita!
Homens cruéis conspiram contra mim,
sem que eu tenha cometido
    qualquer delito ou pecado, ó Senhor.
Mesmo eu não tendo culpa de nada,
    eles se preparam às pressas para atacar-me.
Levanta-te para ajudar-me;
    olha para a situação em que me encontro!
Ó Senhor, Deus dos Exércitos,
    ó Deus de Israel!
Desperta para castigar todas as nações;
não tenhas misericórdia
    dos traidores perversos.Pausa

Eles voltam ao cair da tarde,
    rosnando como cães
    e rondando a cidade.
Vê que ameaças saem de suas bocas;
seus lábios são como espadas,
e dizem: “Quem nos ouvirá?”
Mas tu, Senhor, vais rir deles;
    caçoarás de todas aquelas nações.

Ó tu, minha força, por ti vou aguardar;
tu, ó Deus, és o meu alto refúgio.
10 O meu Deus fiel
    virá ao meu encontro
e permitirá que eu triunfe
    sobre os meus inimigos.
11 Mas não os mates, ó Senhor, nosso escudo,
    se não, o meu povo o esquecerá.
Em teu poder faze-os vaguearem,
    e abate-os.
12 Pelos pecados de suas bocas,
    pelas palavras de seus lábios,
sejam apanhados em seu orgulho.
Pelas maldições e mentiras que pronunciam,
13 consome-os em tua ira,
    consome-os até que não mais existam.
Então se saberá até os confins da terra
    que Deus governa Jacó.Pausa

14 Eles voltam ao cair da tarde,
    rosnando como cães,
    e rondando a cidade.
15 À procura de comida perambulam
e, se não ficam satisfeitos, uivam.
16 Mas eu cantarei louvores à tua força;
    de manhã louvarei a tua fidelidade,
pois tu és o meu alto refúgio,
    abrigo seguro nos tempos difíceis.

17 Ó minha força, canto louvores a ti;
tu és, ó Deus, o meu alto refúgio,
    o Deus que me ama.