The Message

Genesis 27

1When Isaac had become an old man and was nearly blind, he called his eldest son, Esau, and said, “My son.”

“Yes, Father?”

2-4 “I’m an old man,” he said; “I might die any day now. Do me a favor: Get your quiver of arrows and your bow and go out in the country and hunt me some game. Then fix me a hearty meal, the kind that you know I like, and bring it to me to eat so that I can give you my personal blessing before I die.”

5-7 Rebekah was eavesdropping as Isaac spoke to his son Esau. As soon as Esau had gone off to the country to hunt game for his father, Rebekah spoke to her son Jacob. “I just overheard your father talking with your brother, Esau. He said, ‘Bring me some game and fix me a hearty meal so that I can eat and bless you with God’s blessing before I die.’

8-10 “Now, my son, listen to me. Do what I tell you. Go to the flock and get me two young goats. Pick the best; I’ll prepare them into a hearty meal, the kind that your father loves. Then you’ll take it to your father, he’ll eat and bless you before he dies.”

11-12 “But Mother,” Jacob said, “my brother Esau is a hairy man and I have smooth skin. What happens if my father touches me? He’ll think I’m playing games with him. I’ll bring down a curse on myself instead of a blessing.”

13 “If it comes to that,” said his mother, “I’ll take the curse on myself. Now, just do what I say. Go and get the goats.”

14 So he went and got them and brought them to his mother and she cooked a hearty meal, the kind his father loved so much.

15-17 Rebekah took the dress-up clothes of her older son Esau and put them on her younger son Jacob. She took the goatskins and covered his hands and the smooth nape of his neck. Then she placed the hearty meal she had fixed and fresh bread she’d baked into the hands of her son Jacob.

18 He went to his father and said, “My father!”

“Yes?” he said. “Which son are you?”

19 Jacob answered his father, “I’m your firstborn son Esau. I did what you told me. Come now; sit up and eat of my game so you can give me your personal blessing.”

20 Isaac said, “So soon? How did you get it so quickly?”

“Because your God cleared the way for me.”

21 Isaac said, “Come close, son; let me touch you—are you really my son Esau?”

22-23 So Jacob moved close to his father Isaac. Isaac felt him and said, “The voice is Jacob’s voice but the hands are the hands of Esau.” He didn’t recognize him because his hands were hairy, like his brother Esau’s.

23-24 But as he was about to bless him he pressed him, “You’re sure? You are my son Esau?”

“Yes. I am.”

25 Isaac said, “Bring the food so I can eat of my son’s game and give you my personal blessing.” Jacob brought it to him and he ate. He also brought him wine and he drank.

26 Then Isaac said, “Come close, son, and kiss me.”

27-29 He came close and kissed him and Isaac smelled the smell of his clothes. Finally, he blessed him,

Ahhh. The smell of my son
    is like the smell of the open country
    blessed by God.
May God give you
    of Heaven’s dew
    and Earth’s bounty of grain and wine.
May peoples serve you
    and nations honor you.
You will master your brothers,
    and your mother’s sons will honor you.
Those who curse you will be cursed,
    those who bless you will be blessed.

30-31 And then right after Isaac had blessed Jacob and Jacob had left, Esau showed up from the hunt. He also had prepared a hearty meal. He came to his father and said, “Let my father get up and eat of his son’s game, that he may give me his personal blessing.”

32 His father Isaac said, “And who are you?”

“I am your son, your firstborn, Esau.”

33 Isaac started to tremble, shaking violently. He said, “Then who hunted game and brought it to me? I finished the meal just now, before you walked in. And I blessed him—he’s blessed for good!”

34 Esau, hearing his father’s words, sobbed violently and most bitterly, and cried to his father, “My father! Can’t you also bless me?”

35 “Your brother,” he said, “came here falsely and took your blessing.”

36 Esau said, “Not for nothing was he named Jacob, the Heel. Twice now he’s tricked me: first he took my birthright and now he’s taken my blessing.”

He begged, “Haven’t you kept back any blessing for me?”

37 Isaac answered Esau, “I’ve made him your master, and all his brothers his servants, and lavished grain and wine on him. I’ve given it all away. What’s left for you, my son?”

38 “But don’t you have just one blessing for me, Father? Oh, bless me my father! Bless me!” Esau sobbed inconsolably.

39-40 Isaac said to him,

You’ll live far from Earth’s bounty,
    remote from Heaven’s dew.
You’ll live by your sword, hand-to-mouth,
    and you’ll serve your brother.
But when you can’t take it any more
    you’ll break loose and run free.

41 Esau seethed in anger against Jacob because of the blessing his father had given him; he brooded, “The time for mourning my father’s death is close. And then I’ll kill my brother Jacob.”

42-45 When these words of her older son Esau were reported to Rebekah, she called her younger son Jacob and said, “Your brother Esau is plotting vengeance against you. He’s going to kill you. Son, listen to me. Get out of here. Run for your life to Haran, to my brother Laban. Live with him for a while until your brother cools down, until his anger subsides and he forgets what you did to him. I’ll then send for you and bring you back. Why should I lose both of you the same day?”

46 Rebekah spoke to Isaac, “I’m sick to death of these Hittite women. If Jacob also marries a native Hittite woman, why live?”

O Livro

Gênesis 27

Jacob recebe a bênção de Isaque

1Um dia quando Isaque já estava bastante idoso e meio cego, chamou pelo filho mais velho. “Que é, meu pai?”

2/4 “Escuta. Eu já estou muito velho; e conto com a morte quase em cada dia. Por isso pega na tua arma de caça, vai ver se me apanhas algum animal e prepara­mo daquela maneira que tu sabes — como eu gosto, saborosa — depois traz­mo cá para que coma, e para que te dê a bênção que te pertence como filho mais velho; após isso estarei mais à vontade para morrer quando for o momento disso.”

5/7 Ora Rebeca ouviu essa conversa. Por isso quando Esaú saiu para caçar, chamou Jacob e contou­lhe o que o pai tinha pedido a Esaú. E acrescentou: 8/10 “Agora vais fazer exactamente o que eu te disser: Vais ao rebanho, trazes­me de lá dois bons cabritos ainda pequenos, e eu própria os prepararei da forma que o teu pai gosta. Depois leva­lhos para que os coma, e por fim te abençoará em lugar de Esaú!”

11/12 “Mas, mãe!”, retorquiu Jacob, “bem sabes que Esaú é muito cabeludo, e que eu tenho pele lisa; o pai vai querer tocar­me, para se certificar! E vai ver que eu quis enganá­lo, o que trará sobre mim antes maldição e não bênção!”

13 “Se te amaldiçoar, que isso caia sobre mim, meu filho. Faz o que eu te digo. Vá, vai já buscar os dois cabritinhos como te pedi.”

14/18 Jacob assim fez. Foi buscar os animais que a mãe preparou conforme o pai gostava. Rebeca em seguida trouxe os melhores fatos de Esaú, os fatos de dias de festa que estavam ali na casa, e mandou que Jacob os vestisse. Depois com as próprias peles dos cabritos fez duas luvas para as mãos do filho, assim como uma faixa que lhe pôs à volta do pescoço; por fim deu­lhe o guisado, que estava muito saboroso e que cheirava muito bem, juntamente com pãezinhos frescos feitos para aquela altura. Jacob levou o tabuleiro com a comida ao quarto onde o pai estava deitado: “Pai?”

“Sim, meu filho. Mas quem és, Esaú ou Jacob?”

19 “Sou Esaú, o mais velho. Fiz o que me pediste. Aqui está a caça preparada como tu gostas. Levanta­te, come e abençoa­me segundo tudo o que sentes no coração.”

20 “Como foi que conseguiste apanhar caça assim tão depressa, meu filho?”

“Foi o Senhor que a pôs no meu caminho!”

21 “Chega­te aqui. Quero sentir­te, para ver se és realmente Esaú.”

22 Jacob aproximou­se do pai, que lhe tocou no corpo. “A voz é a de Jacob; mas as mãos são realmente as de Esaú!”

23 E não conseguiu reconhecê­lo porque o disfarce que Jacob trazia o enganou.

24 “És mesmo Esaú?”

“Sou, sim Senhor!”

25 “Bem, então chega­me aí a comida; depois de comer abençoar­te­ei conforme tudo o que sinto no coração.”

Jacob chegou­lhe a travessa; ele comeu, acompanhado com o vinho que o filho também lhe trouxera.

26 “Vem cá e dá­me um beijo, meu filho!”

Jacob chegou­se e deu­lhe um beijo no rosto. Isaque cheirou os fatos que ele tinha vestido; finalmente pareceu convencido e abençoou­o.

27/29 “Este cheiro do meu fiho é o bom cheiro da terra e dos campos que o Senhor abençoou! Que o Senhor te dê sempre abundância de chuvas para as tuas searas, colheitas ricas e vinho novo. Que muitos povos te venham a servir e te honrem. Que sejas senhor dos teus irmãos e que te respeitem. Malditos sejam os que te amaldiçoarem e benditos sejam os que te abençoarem.”

30/31 Isaque tinha acabado de abençoar Jacob, e este apenas tinha saído do quarto onde se encontrava o pai quando Esaú chegou da caça. Foi também preparar o prato favorito do seu pai e trouxe­lho: “Pronto, aqui estou eu, meu pai, com a caça que me pediste. Senta­te e come, para que me possas dar então a tua melhor benção!”

32 “Mas, quem és tu?”

“Sou eu, Esaú, teu filho mais velho!”

33 Isaque começou a tremer todo. “Então quem foi que esteve aqui agora mesmo, e que me deu a comer da caça que eu pedira, e a quem eu já abençoei, sem poder voltar atrás?!”

34 Esaú, ao ouvir aquilo, começou a clamar de desespero profundamente amargurado. “Ó meu pai, abençoa­me, abençoa­me também!”

35 “Foi o teu irmão quem esteve aqui e me enganou, e conseguiu tomar de mim a tua bênção!” 36 E Esaú comentou decepcionado: “Não é de admirar que se chame Suplantador! Primeiro ficou­me com o meu direito de filho mais velho, e agora arrebata­me a bênção. Pai, então não tens ainda alguma bênção para me dar?”

37 “Eu pu­lo por teu senhor; os seus parentes e tu próprio o servirão; garanti­lhe abundância de trigo e de vinho. O que é que há­de ter ficado para ti?”

38 “Mas, nem uma só pequena bênção ficou para mim? Pai, abençoa­me também!” E Esaú chorou de desespero.

39/40 “Não terás uma vida fácil, nem confortável — a terra não te dará o melhor que tem, nem o céu as suas chuvas. Mas pela espada conseguirás abrir­te um caminho na vida. Por um tempo servirás o teu irmão, mas por fim sacudirás o seu domínio e ficarás livre.”

Jacob foge para Labão

41/42 Por isso Esaú ficou a odiar Jacob, por causa disto que lhe fez. E disse para consigo: “Meu pai partirá em breve desta vida. Então hei­de matar Jacob.” Mas alguém foi pôr Rebeca ao corrente disso. Esta mandou logo chamar Jacob para o avisar que a sua vida estava em perigo devido à ameaça do irmão.

43/45 “O que há a fazer”, disse ela, “é isto: foge já para casa de teu tio Labão, em Harã. Fica lá uns tempos até que passe esta fúria ao teu irmão, e que esqueça o que lhe fizeste. Nessa altura mandarei chamar­te. Porque é que vos havia de perder aos dois no mesmo dia?”

46 Rebeca disse depois a Isaque: “Estou cansada e aborrecida por causa das moças deste sítio. Preferia morrer do que ver Jacob casado com uma delas!”