Amplified Bible

Psalm 109

Vengeance Invoked upon Adversaries.

To the Chief Musician. A Psalm of David.

1O God of my praise!
Do not keep silent,

For the mouth of the wicked and the mouth of the deceitful are opened against me;
They have spoken against me with a lying tongue.

They have also surrounded me with words of hatred,
And have fought against me without a cause.

In return for my love, they attack me,
But I am in prayer.

They have repaid me evil for good,
And hatred for my love.


Appoint a wicked man against him,
And let an attacker stand at his right hand [to kill him].

When he enters into dispute, let wickedness come about.
Let his prayer [for help] result [only] in sin.

Let his days be few;
And let another take his office.

Let his children be fatherless
And his wife a widow.
10 
Let his children wander and beg;
Let them seek their food and be driven far from their ruined homes.
11 
Let the creditor seize all that he has,
And let strangers plunder the product of his labor.
12 
Let there be no one to extend kindness to him,
Nor let anyone be gracious to his fatherless children.
13 
Let his descendants be cut off,
And in the following generation let their name be blotted out.

14 
Let the wickedness of his fathers be remembered by the Lord;
And do not let the sin of his mother be blotted out.
15 
Let them be before the Lord continually,
That He may cut off their memory from the earth;
16 
Because the man did not remember to show kindness,
But persecuted the suffering and needy man,
And the brokenhearted, to put them to death.
17 
He also loved cursing, and it came [back] to him;
He did not delight in blessing, so it was far from him.
18 
He clothed himself with cursing as with his garment,
And it seeped into his inner self like water
And like [anointing] oil into his bones.
19 
Let it be to him as a robe with which he covers himself,
And as a sash with which he is constantly bound.
20 
Let this be the reward of my attackers from the Lord,
And of those who speak evil against my life.

21 
But You, O God, the Lord, show kindness to me, for Your name’s sake;
Because Your lovingkindness (faithfulness, compassion) is good, O rescue me;
22 
For I am suffering and needy,
And my heart is wounded within me.
23 
I am vanishing like a shadow when it lengthens and fades;
I am shaken off like the locust.
24 
My knees are unsteady from fasting;
And my flesh is gaunt and without fatness.
25 
I also have become a reproach and an object of taunting to others;
When they see me, they shake their heads [in derision].

26 
Help me, O Lord my God;
Save me according to Your lovingkindness—
27 
And let them know that this is Your hand;
You, Lord, have done it.
28 
Let them curse, but You bless.
When adversaries arise, let them be ashamed,
But let Your servant rejoice.
29 
Let my attackers be clothed with dishonor,
And let them cover themselves with their own shame as with a robe.

30 
I will give great praise and thanks to the Lord with my mouth;
And in the midst of many I will praise Him.
31 
For He will stand at the right hand of the needy,
To save him from those who judge his soul.

O Livro

Salmos 109

Salmo de David.

Para o director do coro.

1Ó Deus, que és o objecto do meu louvor,
    não permaneças calado.
2/3 Quando os perversos me caluniam
    e dizem mentiras a meu respeito,
eles sabem muito bem que não têm a mínima razão
    para me odiarem
e para estarem cerradamente contra mim, como fazem.
Em paga da minha boa vontade, da minha compreensão,
    são meus inimigos.
Por isso quanto a mim só me resta fazer-te oração!
Pagam-me o bem com o mal, o amor com o ódio.

Eles dizem: “Nomeiem um juiz corrupto,
    e que haja um acusador contra ele.
Que seja julgado e condenado.
Que a sentença seja infalivelmente
    a sua condenação.
Que até quando te fizer orações
    isso seja considerado um pecado!
Que os dias da sua vida sejam poucos e breves,
    e que venham outros tirar-lhe o trabalho,
    e o lugar na sociedade.
Que os seus filhos fiquem órfãos,
    e a sua mulher viúva.
10 Que sejam expulsos das ruínas do seu lar
    e os seus descendentes sejam obrigados a mendigar o pão
    por terras distantes.
11 Que os credores lancem mão de tudo o que era dele,
    e que estranhos fiquem com tudo o que ganhou.
12 Que ninguém tenha pena dele
    nem dó dos seus órfãos.
13 Que a sua posteridade venha a desaparecer,
    e que ninguém se lembre mais dele,
    passada uma geração!
14 Que o Senhor se lembre da maldade dos seus pais,
    para a castigar.
Que não os tenha por inocentes.
15 Que o Senhor tenha esses pecados sempre presentes,
    e que nunca mais ninguém se lembre de que existiu esse homem.

16 Pois recusou ser bom para com o seu próximo.
Chegou mesmo ao ponto de perseguir
    os que estavam aflitos e tinham necessidades,
    e os que viviam com o coração angustiado;
e perseguiu-os até os liquidar!
17 Sendo assim, visto que teve alegria na maldição dos outros,
    pois que agora venha maldição sobre ele.
Se nunca quis a tua bênção,
    por que razão havia ele agora de ser abençoado por ti?
18 Nas suas relações com os outros a
    maldição era algo que lhe era tão habitual
    como a própria roupa que se veste,
    ou a água que se bebe normalmente!
19 Então agora que essas mesmas maldições que distribuiu
    se voltem contra ele,
    se lhes pegue como a roupa ao corpo,
    que o aperte como o cinto que tem à cintura!”

20 Esse é o castigo que o Senhor dará aos meus inimigos,
aos que dizem toda a espécie de mentiras a meu respeito,
e que querem a liquidação da minha alma!
21 Mas tu, Senhor meu Deus, sê a meu favor,
e isso para que o teu nome não seja desonrado!
Livra-me,
    porque eu sei que é grande a tua bondade!

22 Estou aflito e necessitado.
O meu coração vai desfalecendo.
23 Vou resvalando pela encosta da vida
    em direcção à sombra da morte.
Em breve a vida me sacudirá
    como se sacode um insecto.
24 Os meus joelhos estão esfraquecidos de tanto jejuar,
    estou na pele e osso!
25 Sou já, para toda a gente, como que a própria imagem do fracasso;
olham para mim e não fazem mais do que abanar a cabeça.

26 Ajuda-me, Senhor meu Deus!
Salva-me, porque és cheio de bondade!
27 Para que toda a gente constate que intervéns na minha vida.
28 Eles podem amaldiçoar, é certo.
Mas que me importa isso
    se és tu quem me abençoa!
29 Bem podem levantar-se para me destruir:
os seus planos falharão redondamente,
e eu hei-de continuar a alegrar-me com o meu Deus!
Que eles fracassem em tudo o que fizerem!
Que a desgraça se lhes cole à vida como a roupa ao corpo.

30 Mas eu quero agradecer ao Senhor com toda a força,
e contarei a toda a gente o que fez por mim.
31 Pois que ele permanece ao lado do pobre
    para o livrar dos que pretendem liquidar-lhe a alma.