Akuapem Twi Contemporary Bible

Kwadwom 3:1-66

1Mene ɔbarima a mahu amane

wɔ nʼabufuw abaa ano.

2Wapam me afi ne ho ama manantew

sum mu na ɛnyɛ hann mu;

3Ampa ara wama nsa so atia me

mpɛn bebree, da mu nyinaa.

4Wama me were ne me nam anyin

Na wabubu me nnompe.

5Waka me ahyɛ mu, na watua me ano

ɔde nweenwen ne ahokyere atwa me ho ahyia.

6Wama matena sum mu

sɛ wɔn a wɔawuwu dedaw no.

7Wato ɔfasu atwa me ho ahyia enti mintumi nguan;

wagu me nkɔnsɔnkɔnsɔn ama matɔ beraw.

8Mpo sɛ mefrɛ anaasɛ mebɔ mpae srɛ mmoa a

osiw me mpaebɔ ano.

9Ɔde abotan asiw me kwan;

wama mʼakwan ayɛ kɔntɔnkye.

10Te sɛ sisi a ɔda hɔ retwɛn,

te sɛ gyata a watɛw,

11ɔtwee me fii ɔkwan no mu bebaree me

na ogyaw me a minni mmoa biara.

12Okuntun ne ta mu

na ɔde ne bɛmma kyerɛɛ me so.

13Ɔde bɛmma a efi ne kotoku mu

hwirew me koma mu.

14Meyɛɛ akyiwade maa me nkurɔfo nyinaa;

wɔto akutia nnwom

de di me ho fɛw da mu nyinaa.

15Ɔde nhaban nweenwen ahyɛ me ma.

Wama me bɔnwoma anom.

16Ɔde mmosea abubu me se;

na watiatia me so wɔ mfutuma mu.

17Wɔama asomdwoe abɔ me;

na me werɛ afi yiyedi.

18Enti mise, “Mʼanuonyam asa,

nea mede mʼani too so Awurade mu no nyinaa.”

19Mekae mʼamanehunu wɔ mʼakyinkyinakyinkyin mu,

nweenwen ne bɔnwoma mu.

20Mekae yiye,

na me kra abotow wɔ me mu.

21Nanso midwen eyi ho;

saa nti mewɔ anidaso.

22Awurade dɔ kɛse nti yɛnsɛee ɛ.

Nʼayamhyehye nni huammɔ.

23Ɛyɛ foforo anɔpa biara;

wo nokwaredi yɛ kɛse.

24Meka kyerɛ me ho se,

Awurade yɛ me kyɛfa, enti mɛtwɛn no.”

25Awurade ye ma wɔn a wɔn anidaso wɔ ne mu,

onipa a ɔhwehwɛ no no;

26Eye sɛ wɔyɛ komm

de twɛn Awurade nkwagye.

27Eye ma ɔbarima sɛ ɔsoa konnua no

wɔ ne mmerantebere mu.

28Ma ɔntena ase komm,

efisɛ Awurade de ato ne so.

29Ma ɔmfa nʼanim nsie wɔ mfutuma mu,

ebia anidaso wɔ hɔ.

30Ma ɔmfa nʼafono mma nea ɔpɛɛ sɛ ɔbɔ no no

na ɔnhyɛ no aniwu.

31Na Awurade ntow onipa biara nkyene koraa.

32Ɛwɔ mu, ɔde awerɛhow ba de, nanso obenya ayamhyehye.

Ne dɔ kɛse no to rentwa da.

33Ofi amemenemfe mu de amanehunu

anaa awerɛhow brɛ nnipa mma.

34Sɛ wɔde wɔn nan dwerɛw

nneduafo a wɔwɔ asase no so a,

35sɛ wotiatia obi ahofadi so

wɔ Ɔsorosoroni no anim a,

36anaa sɛ wobu obi ntɛnkyew a,

Awurade renhu saa nneɛma yi ana?

37Hena na obetumi aka na wama aba mu

wɔ bere a ɛnyɛ Awurade na ɔhyɛe?

38Ɛnyɛ Ɔsorosoroni no anom

na mmusu ne nnepa fi ana?

39Adɛn nti na ɛsɛ sɛ ɔteasefo nwiinwii

bere a wɔatwe nʼaso wɔ ne bɔne ho?

40Momma yɛnhwehwɛ yɛn akwan mu na yɛnsɔ nhwɛ,

na yɛnsan nkɔ Awurade nkyɛn.

41Momma yɛmma yɛn koma ne yɛn nsa so,

nkyerɛ Onyankopɔn wɔ ɔsoro, na yɛnka se:

42“Yɛayɛ bɔne, na yɛatew atua

na wamfa ankyɛ.

43“Wode abufuw akata wo ho ataa yɛn;

na woakunkum a woannya ahummɔbɔ.

44Wode wo ho asie omununkum mu

nti mpaebɔ biara nnu wo nkyɛn.

45Woayɛ yɛn atantanne ne nwura

wɔ amanaman no mu.

46“Yɛn atamfo nyinaa abaa wɔn anom tɛtrɛɛ

de tia yɛn.

47Yɛabrɛ ne ahunahuna ne akukuruhwease,

mmubui ne ɔsɛe.”

48Me nusu sen sɛ asuten

efisɛ wɔasɛe me nkurɔfo.

49Me nusu bɛsen ara,

na ɛrennyae,

50kosi sɛ Awurade bɛhwɛ

afi ɔsoro, na wahu.

51Nea mihu no ma me kra werɛ how,

me kuropɔn no mu mmea nyinaa nti.

52Mʼatamfo a menyɛɛ wɔn hwee

pampam me sɛ anomaa.

53Wɔpɛɛ sɛ wotwa me nkwa so

na wosiw me abo wɔ amoa mu;

54nsu bu faa me ti so,

na ɛyɛɛ me sɛnea wɔrewie me.

55Mebɔɔ wo din, Awurade

fii amoa no ase tɔnn.

56Wotee me sufrɛ: “Nsiw wʼaso

wɔ me gye sufrɛ ho.”

57Wutwiw bɛn me bere a mefrɛɛ wo no,

na wokae se, “Nsuro.”

58Wo Awurade, wudii mʼasɛm maa me;

na wugyee me nkwa.

59Woahu bɔne a wɔayɛ me, Awurade.

Di mʼasɛm ma me!

60Woahu wɔn aweretɔ no mu den,

wɔn pɔw a wɔbɔ tia me no nyinaa.

61Awurade, woate wɔn ntwirii,

wɔn pɔw a wɔbɔ tia me no nyinaa,

62nea mʼatamfo ka no asomsɛm na wɔka no brɛoo

de tia me da mu nyinaa.

63Hwɛ wɔn! Sɛ wogyinagyina hɔ anaasɛ wɔtete hɔ,

wɔto akutia nnwom de di me ho fɛw.

64Fa nea ɛfata tua wɔn so ka, Awurade,

nea wɔn nsa ayɛ nti.

65Pirim wɔn koma,

na ma wo nnome mmra wɔn so.

66Fa abufuw taa wɔn, na sɛe wɔn

fi Awurade ɔsorosoro ase.

O Livro

Lamentações 3:1-66

1Sou um homem que viu as aflições que a vara do Senhor fez derramarem-se. 2Levou-me até às trevas profundas, tirou-me toda a luz. 3Voltou-se contra mim. Dia e noite a sua mão pesa sobre mim.

4A minha pele está envelhecida e a minha carne mirrada; quebrou-me os ossos todos. 5Construiu torres fortificadas contra mim; rodeou-me de angústia e de tormento. 6Meteu-me dentro de lugares tenebrosos, semelhante aos que dormem há muito o seu último sono.

7Emparedou-me; estou impossibilitado de fugir; agrilhoou-me com pesadas cadeias. 8Ainda que grite e clame, não ouvirá os meus rogos! 9Encarcerou-me num sítio rodeado de muros altos e espessos; encheu o meu caminho de emboscadas.

10Espia-me como um urso prestes a atacar e como um leão pronto a saltar sobre a presa. 11Fez-me extraviar do meu caminho; fez-me em pedaços e deixou-me a escorrer sangue, abandonado. 12Retesou o arco e apontou certeiramente contra mim.

13As suas setas entraram profundamente no meu coração. 14O meu próprio povo ri-se de mim. Cantam o dia inteiro as suas canções dissolutas. 15Encheu-me de amargura; deu-me a beber um copo cheio da mais profunda tristeza.

16Fez-me comer cascalho, de tal forma que até os dentes se me partiram; fez-me rolar no meio da cinza e da sujidade. 17Esqueci-me até do que significa prosperidade; perdi toda a tranquilidade na minha vida. 18Até já me esqueci da alegria que essas coisas provocam. Só sei dizer: A minha força foi-se. Não espero nada de Deus!

19Oh! Lembra-te da amargura e do sofrimento que lançaste sobre mim! 20Nunca mais esquecerei estes horríveis anos. A minha alma passará a viver numa completa vergonha.

21Mas há ainda um raio de esperança. 22É que as misericórdias do Senhor não têm fim; foram as misericórdias do Senhor que impediram que fôssemos consumidos em absoluto; 23grande é a sua fidelidade. A sua compaixão é sempre renovada em cada dia. 24O Senhor é aquilo de que preciso para viver; é a minha única riqueza, por isso, espero nele.

25O Senhor é bom para os que esperam nele, para os que o buscam. 26É bom ter esperança e aguardar calmamente a salvação do Senhor. 27É bom para um jovem estar sob disciplina.

28Porque fá-lo sentar-se solitário, em silêncio, sob o controlo do Senhor, 29inclinar o rosto para o chão, para o pó da terra; no fim, haverá esperança para ele. 30Que aprenda a dar a outra face a quem o fere, que saiba enfrentar a afronta.

31O Senhor não o abandonará para sempre. 32Ainda que Deus o faça sofrer, mostrar-lhe-á a sua compaixão, de acordo com a sua grande misericórdia. 33Porque não é do seu agrado afligir as pessoas, deixá-las tristes.

34Quando são espezinhados os prisioneiros da terra, 35e quando defraudam os direitos das pessoas, perante o Altíssimo, 36e recusam fazer-lhes justiça, não é de admirar que o Senhor os queira castigar.

37Quem poderá falar e fazer acontecer, se assim o Senhor não tiver orientado? 38Ora, não é pela vontade do Altíssimo que procedem tanto as desgraças como as bênçãos? 39Porque haveríamos então nós, meros seres humanos como somos, de murmurar e de nos lamentarmos, quando somos castigados por causa dos nossos pecados?

40Examinemo-nos a nós próprios, antes, e arrependamo-nos; voltemos para o Senhor. 41Levantemos os corações e as mãos para o Deus dos céus e digamos: 42“Nós pecámos e rebelámo-nos contra ti e tu não nos perdoaste!

43Cobriste-nos com a tua ira, Senhor, mataste-nos sem piedade. 44Cobriste-nos com uma nuvem, de forma que as nossas orações não te alcançam. 45Fizeste-nos como entulho e como lixo no meio das nações.

46Todos os nossos inimigos falaram mal de nós. 47Estamos cheios de terror porque fomos apanhados, desolados, destruídos.”

48Os meus olhos derramam torrentes de lágrimas de dia e de noite, por causa da destruição do meu povo.

49Os meus olhos são fontes inesgotáveis de choro, sem cessar e sem descanso, 50até que o Senhor olhe desde o céu e responda aos meus rogos! 51O meu coração confrange-se perante aquilo que aconteceu às mulheres da minha cidade.

52Os meus inimigos, a quem nunca fiz mal nenhum, enxotaram-me como se eu fosse uma ave de rapina. 53Lançaram-me num poço e atiraram pedras sobre mim. 54A água subiu acima da minha cabeça. Eu já pensava: É o fim!

55Apelei para o teu nome, Senhor, desde o fundo desse poço, 56e tu ouviste-me: “Não escondas os teus ouvidos ao meu choro e ao meu clamor!” 57Sim, atentaste para os meus gritos desesperados e disseste-me: “Não temas!”

58Ó Senhor, tu és o meu advogado! Defende a minha causa, porque redimiste a minha vida! 59Viste, Senhor, o mal que me fizeram; sê o meu juiz e julga a minha causa. 60Observaste as conspirações que os meus inimigos arquitetaram contra mim.

61Ouviste os nomes afrontosos que me chamaram, Senhor, e tudo o que dizem a meu respeito; 62as suas acusações e o seu murmurar contra mim o tempo todo. 63Observa-os quando se assentam e quando se levantam; eu sou o objeto da zombaria das suas canções.

64Ó Senhor, vinga todo o mal que eles têm feito! 65Que os seus corações se encham de desespero perante a tua maldição! 66Vai atrás deles, perseguindo-os na tua ira e varre-os da Terra, de sob os céus do Senhor!