2 Crônicas 26

Uzias é rei de Judá

O povo de Judá coroou rei, para suceder a seu pai, Uzias , que tinha dezasseis anos.

Este reconstruiu a cidade de Elote e reintegrou-a em Judá. Ao todo reinou cinquenta e dois anos. A capital do reino mantinha-se Jerusalém. A sua mãe chamava-se Jecolia; era originária de Jerusalém. Conduziu-se com rectidão, perante Deus, imitando seu pai Amazias naquilo que este tinha feito de bem.

Enquanto Zacarias viveu, Uzias sempre se esforçou por buscar o Senhor. Zacarias foi um homem entendido nas coisas de Deus. E portanto, todo o tempo em que o rei procurou agradar a Deus, as coisas correram-lhe bem.

Declarou guerra aos filisteus e conquistou a cidade de Gate, derrubando-lhe as muralhas; fez o mesmo às cidades de Jabné e de Asdode. Construiu posteriormente novas povoações, na área de Asdode e noutras partes de Filisteia. Deus ajudou-o, não somente nessas guerras contra os filisteus, mas ainda noutras contra os árabes de Gur-Baal e contra os meunitas. Os amonitas ficaram a pagar-lhe um tributo, e a sua fama espalhou-se até ao Egipto; tornou-se muito poderoso.

Edificou torres fortificadas em Jerusalém, na porta do Canto, na porta do Vale e nos ângulos que a muralha fazia. Também construiu fortes no Negueve, assim como muitos reservatórios de água, pois tinha grandes rebanhos de gado, tanto nos vales como nas campinas. Era um homem que amava o trabalho agrícola; tinha ao seu serviço fazendeiros, vinhateiros nas montanhas e nas campinas férteis.

Reorganizou o exército em regimentos, enviando para os destacamentos militares homens aptos para o combate, segundo recrutamentos ordenados por Jeiel, secretário-geral do exército, e pelo seu assistente Maaséias. O comando militar das tropas estava sob as ordens de Hananias. Dois mil e seiscentos bravos sargentos, todos eles chefes de clãs, tinha responsabilidades de chefia, dentro do exército. O número total dos militares alistados era de trezentos e sete mil e quinhentos homens, todos cuidadosamente preparados para o combate e dispostos a obedecer às ordens do rei.

Uzias equipou o exército com armamento: escudos, lanças, couraças, arcos, e até fundas, para atirar pedras; forneceu também capacetes para os soldados. Mandou igualmente construir máquinas de guerra, inventadas por competentes construtores de engenhos, as quais ficaram em Jerusalém. Esses aparelhos serviam para atirar flechas, assim como grandes pedras, a partir das torres fortificadas nos cantos da muralha. Ganhou assim grande fama e tornou-se poderoso, porque o Senhor o ajudou.

Mas após isso começou a tornar-se orgulhoso e corrupto. Transgrediu a lei do Senhor seu Deus, entrando no santuário do templo, o que lhe era absolutamente ilícito, e queimou ele próprio incenso sobre o altar. Azarias, o sumo sacerdote, entrou atrás dele, acompanhado de mais oitenta sacerdotes, todos homens fortes, e mandou-lhe que saísse dali. Não é da tua competência, Uzias, queimar incenso, declarou-lhe. Isso é função estritamente reservada aos sacerdotes, filhos de Arão, que foram consagrados para esse serviço. Retira-te daqui. Transgrediste, e o que estás a fazer não pode de forma alguma representar uma honra para ti!

Uzias ficou furioso, e recusou largar o incensário que segurava na mão. Eis se não quando, começa a aparecer-lhe lepra na testa. Ali aos olhos de todos os sacerdotes!

Estes, e Azarias, quando viram aquilo, empurraram-no apressadamente para fora. Ele próprio se deu pressa em sair dali, pois reconheceu que o Senhor o feria.

Assim ficou Uzias leproso até morrer. Foi obrigado a viver isolado, numa casa à parte, excluído de contactos com as pessoas e com o templo. Seu filho Jotão tornou-se regente do reino, gerindo os assuntos da governação e atendendo aos problemas do povo.

Outros factos respeitantes a este reinado, do seu começo até ao final, foram relatados pelo profeta Isaías, filho de Amós. Quando morreu, Uzias foi sepultado no cemitério real, ainda que sendo leproso. O seu filho Jotão ascendeu à dignidade de rei.

Read More of 2 Crônicas 26

2 Crônicas 27

Jotão é rei de Judá

Tinha vinte e cinco anos, Jotão, quando se sentou no trono. Reinou dezasseis anos, com Jerusalém como sua capital. Sua mãe era Jerusa, filha de Zadoque. Conduziu-se rectamente ao olhos do Senhor, seguindo os passos do seu pai Uzias, com excepção daquele pecado de entrar no santuário do templo. Apesar disso, o povo continuou muito corrupto.

Construiu a porta alta do templo, e fez obras extensas de reconstrução das muralhas da cidade, na colina onde o templo se erguia. Edificou povoações nas montanhas de Judá, erigiu fortalezas e torres fortificadas na região dos bosques.

Foi vitorioso na guerra contra os amonitas, de tal forma que durante três anos ficou recebendo deles um tributo anual de três mil toneladas de prata, duas mil e duzentas toneladas de trigo e outro tanto de cevada. Jotão tornou-se poderoso porque foi cuidadoso em dirigir os seus passos pelos caminhos do Senhor.

O resto da história deste monarca, incluindo as guerras que travou e outros factos, estão relatados nos Anais dos Reis de Israel e de Judá.

Em resumo: tinha vinte e cinco anos quando começou a reinar. O seu reinado, com sede em Jerusalém, durou dezasseis anos. Quando morreu, foi enterrado na capital, e seu filho Acaz ascendeu ao trono.

Read More of 2 Crônicas 27

2 Crônicas 28

Acaz é rei de Judá

Acaz tinha vinte anos de idade quando se tornou rei. Reinou por dezasseis anos, em Jerusalém. Mas foi um mau rei, muito ao contrário do cabeça da sua dinastia, o rei David.

Conformou a sua conduta com a dos reis de Israel, prestando culto aos ídolos de Baal.

Chegou ao ponto de se deslocar até ao vale de Hinom; e não foi só para queimar incenso aos ídolos - foi até para sacrificar os seus próprios filhos no fogo, à semelhança do que faziam os povos pagãos que foram lançados pelo Senhor fora da terra que deu a Israel.

Sim, fez sacrifícios e queimou incenso nos altares dos ídolos sobre os altos e debaixo de cada árvore verde.

Por isso o Senhor permitiu que fosse conquistado pelo rei da Síria, que o derrotou e expatriou grande número da sua população para Damasco. Também os exércitos de Israel mataram muitos das suas tropas. Num só dia, Peca (filho de Remalias) matou cento e vinte mil dos seus melhores soldados. Tudo, por terem deixado o Senhor Deus dos seus antepassados.

Foi igualmente nesse tempo que Zicri, um grande guerreiro de Efraim, matou o príncipe, o filho do rei, Maaséias, assim como Azricão, administrador geral do palácio, mais o comandante geral do exército Elcana, o segundo depois do rei. Também Israel tomou como cativas duzentas mil mulheres e crianças de Judá, assim como uma tremenda quantidade de despojo, que levaram para Israel.

Havia aliás em Samaria mesmo um profeta do Senhor chamado Odede, que foi ao encontro do exército quando regressava. Vejam!, exclamou ele. O Senhor Deus dos vossos pais irou-se contra Judá e permitiu que vocês os conquistassem; mas vocês mataram-nos sem misericórdia, e todo o céu ficou perturbado. Irão vocês agora fazer desta gente de Judá e de Jerusalém escravos? Vocês mesmos não têm pecado tanto contra o Senhor vosso Deus?

Dêem-me atenção, e mandem embora estes vossos irmãos, que regressem às suas casas, porque agora é sobre vocês que está a ira do Senhor!

Alguns dos principais líderes de Efraim apoiaram as palavras do profeta; eram eles Azarias (filho de Joanã), Berequias (filho de Mesilomote), Jeizquias (filho de Salum) e Amasa (filho de Hadlai); e fizeram a seguinte declaração:

Não podes trazer para aqui esses prisioneiros! Se o fizeres, provocas a ira do Senhor. Será mais um a acrescentar aos nossos já muitos pecados. Já é bastante o que fizemos para irritar Deus.

Os oficiais do exército entregaram os prisioneiros e o despojo aos líderes políticos do povo, para que decidissem sobre o que fazer. Os quatro homens já mencionados distribuíram roupas trazidas como despojo, dando-as às mulheres e aos meninos que delas mais necessitavam; deram-lhes também calçados, alimento e bebidas. Puseram os doentes e os velhos sobre jumentos, e mandaram-nos para as suas famílias em Jericó, a cidade das Palmeiras. Depois voltaram para Samaria.

Por essa altura, o rei Acaz de Judá pediu ao rei da Assíria que fosse seu aliado na luta contra as tropas de Edom, que estavam a invadir Judá e a levar muita gente cativa.

Entretanto, os filisteus tinham ocupado as povoações das campinas e do Negueve, nomeadamente, as cidades de Bete-Semes, de Aijalom, de Gederote, de Soco, de Timna e Ginzo, mais as localidades ao redor. Puseram mesmo lá gente deles, que passou a viver ali. O Senhor estava a humilhar Judá, por causa dos pecados de Acaz, pois levara o povo à ruína espiritual, e prevaricou contra o Senhor.

Mas quando Tiglate-Pileser, o rei da Assíria, chegou, foi muito mais o incómodo do que a ajuda que ele trouxe; nem sequer de alguma coisa serviu todo o ouro do templo e dos tesouros do palácio que Acaz lhe deu.

E numa ocasião dessas, de grande aperto, ainda maior foi a sua degradação espiritual. Tal era o rei Acaz!

Pôs-se a prestar culto, com sacrifícios, aos deuses de Damasco, que o tinham derrotado, a ele próprio, dizendo que se esses ídolos tinham ajudado os reis da Síria, então haviam de o ajudar a ele, agora, se os adorasse. Mas foi bem ao contrário: arruinaram-no a ele e a todo o seu povo. O rei, ele mesmo, tirou os vasos do templo e fê-los em pedaços; mandou fechar a casa de Deus, e levantou altares aos ídolos em cada canto da cidade de Jerusalém. Fez o mesmo em cada cidade de Judá, acendendo a ira do Deus dos seus pais.

Outros factos referentes à sua vida e actividade estão consignados nos Anais dos Reis de Judá e de Israel. Quando faleceu, Acaz foi enterrado em Jerusalém, mas não junto aos túmulos dos outros reis. O seu filho Ezequias reinou em seu lugar.

Read More of 2 Crônicas 28